CARNAVAL

Em meio a críticas, Bolsonaro agradece 'apoio' de bonecos de Olinda

Pelas redes sociais, presidente divulgou imagem de bloco de rua do Carnaval de Pernambuco que levou às ruas um boneco gigante dele e de outros integrantes do governo federal

25/02/2020 14h38 - Por: Folha de Dourados

 
Foto: Antonio Cruz/ Agência BrasilFoto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

O presidente Jair Bolsonaro usou as redes sociais nesta terça-feira (25/2) para dar destaque ao Carnaval em Olinda (PE), onde foliões produziram bonecos gigantes dele e de outros membros do governo federal para levar às ruas durante as comemorações do feriado.

Na foto divulgada na sua conta oficial do Twitter, ele é o primeiro de uma fila de pelo menos dez bonecões que teriam feito parte dos desfiles na cidade pernambucana na segunda-feira (24/2). Além de Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, foram transformados em bonecos.

Bolsonaro agradeceu ao "apoio". "Obrigado pela consideração, Olinda-PE!", escreveu o presidente. Ele também compartilhou a publicação de uma página bolsonarista intitulada "Pau de Arara Opressor", que diz: "Presidente Bolsonaro e seus ministros são aplaudidos em alegoria de bonecos gigantes em Pernambuco no maior bloco do mundo".

Desde o início do Carnaval, contudo, o chefe do Palácio do Planalto tem sido o principal alvo de protestos de escolas de samba. Agremiações tanto do Rio de Janeiro quanto de São Paulo produziram enredos com críticas a Bolsonaro e algumas escolas chegaram a desfilar com carros alegóricos e fantasias que remetiam ao presidente da República.

A manifestação mais clara partiu da Acadêmicos de Vigário Geral, que está na divisão de acesso do Carnaval carioca. A agremiação saiu à Marquês de Sapucaí com uma alegoria representada pelo palhaço Bozo vestindo terno e com a faixa presidencial cruzando o peito e fazendo uma "arma" com as mãos. A referência a Bolsonaro, que tornou viral o gesto durante a campanha eleitoral de 2018, veio acompanhada por versos da canção da escola.

"Somos da tribo quilombola/ Que segue aguerrida/ Mas sempre esquecida/ Por quem tem poder/ Montando em cabrestos/ Matando direitos de quem quer viver/ O homem de terno pregando mentira/ Desperta a ira em nome da fé/ Pois é, na crise nossa gente acende vela/ Pra santo que nem olha pra favela/ E brinca com direito social/ Ó mãe, o morro é o retrato do passado/ Legado de um mito mal contado/ Vigário, teu protesto é Carnaval", entoou a escola.

Campeã do carnaval de São Paulo em 2019, a Mancha Verde também não poupou o alto escalão do governo federal no desfile deste ano. Em meio ao mar de cores e fantasias, o carnavalesco do grupo, Jorge Freitas, aproveitou o enredo "Pai! Perdoai, eles não sabem o que fazem!" para cutucar a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Damares foi alvo da principal chacota. Uma ala inteira da agremiação se vestiu de azul e rosa para ironizar a frase dita pela ministra no ano passado de que "menino veste azul e menina veste rosa". Além disso, em um dos carros alegóricos da escola, uma mulher se vestiu de empregada doméstica, colocou orelhas do Mickey na cabeça e carregou um passaporte enorme na mão para debochar de Guedes que, recentemente, "aprovou" a alta do dólar pois, com o câmbio baixo, "empregada doméstica estava indo pra Disney, uma festa danada".

 

Envie seu Comentário