Conselho Tutelar de Dourados

Conselho Tutelar: órgão organizador tinha conhecimento de candidatos irregulares

A possibilidade do pleito ser anulado foi admitida ontem (16) por promotor de Justiça em reunião com grupo de candidatos

17/10/2019 09h49 - Por: Folha de Dourados

 

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

Diálogos entre membros do Conselho Municipal dos Direitos da Crianças e do Adolescente (CMDCA) em grupo de WhatsApp revelam que os organizadores da eleição dos novos membros do Conselho Tutelar de Dourados, ocorrida em 6 de outubro, tinham conhecimento da participação de candidatos irregulares, alguns dos quais saíram vitoriosos das urnas.

Os diálogos nos prints [anexos] que chegaram à redação da Folha de Dourados tratam de candidatos que não trabalharam com crianças e adolescentes e de documentos falsos no ato de inscrição. São provas cabais de que a eleição, além de desorganizada, é suspeita e que, provavelmente será anulada, já que os organizadores sabiam da existência de fraudes antes, durante e depois do processo eleitoral.

Outro documento obtido pela Folha revela que eleita é casada com servidor do Poder Judiciário, contrariando o que preconiza o edital. Na verdade, ela nem poderia ter sido candidata.

A possibilidade do pleito ser anulado foi admitida ontem (16) por promotor de Justiça em reunião com grupo de candidatos que questiona a lisura do processo eleitoral. O representante do Ministério Público Estadual (MPE) reconheceu a existência de candidatos irregulares, o descumprimento do edital e entende que terá que tomar providências.

Ainda nessa semana o advogado do grupo, Fernando Barauna Recalde, deverá solicitar à Justiça a anulação da eleição e, aí, o MPE deve se manifestar por novo pleito, com mais locais de votação e excluindo os candidatos que não atendem os requisitos do edital.

Campo Grande

A desorganização e à desobediência ao Edital levou Conselho Municipal dos Direitos da Crianças e do Adolescente de Campo Grande a suspender o resultado das eleições de conselheiros tutelares da Capital do Estado atendendo recomendações da 46a Promotoria de Justiça de Campo Grande, do Ministério Público Estadual.

A deliberação foi publicada no diário oficial ontem, 16 de outubro, conforme anexo.

 
 
 
 
 
 
 

Envie seu Comentário