17/08/2018 13h51

Em reunião fechada, Banco prevê 2º turno com Bolsonaro x PT

Por: Folha de Dourados
 
 

Hoje, a maior probabilidade é de que o ex-capitão do Exército enfrente o candidato do PT (Lula ou Haddad), no segundo turno. Essa é a previsão de um dos maiores bancos de varejo brasileiros! Foi obtida com exclusividade pelo blogueiro, junto a uma fonte que participou da reunião reservada. Alckmin, segundo os donos da grana, tem chances remotas de avançar. Eleição ocorrerá sob o signo "anti-sistema" - e Lula preso e perseguido só ajuda o PT no imaginário social.

Por Rodrigo Vianna, da Revista Forum

A reunião aconteceu em São Paulo, na última quinta-feira (16/agosto). Foi um encontro pequeno, típico da gente de mercado: apenas doze pessoas do "board" (é o termo que se usa entre a turma da grana) de uma grande empresa europeia – que acaba de adquirir participação em empresa subsidiária de um dos maiores bancos privados do Brasil.

Os estrangeiros queriam entender o complexo quadro político brasileiro. Do outro lado da mesa, estava um economista (brasileiro) do Banco, que analisou a corrida eleitoral, apresentando a seguinte previsão: hoje, a maior probabilidade é de que Bolsonaro enfrente o candidato do PT (Lula ou Haddad), no segundo turno.

Essa é a previsão de um dos maiores bancos de varejo brasileiros! Em privado, na hora de orientar negócios, eles não participam das jogadas da Globo e seus mervais amestrados. Nada de levantar a bola pro Alckmin.

A hora (nos bancos) é de realismo. E o realismo indica: Bolsonaro x PT. Ponto final.

A partir daqui, a análise é do blogueiro, e não do Banco.

Quando o PSDB conseguiu fechar a grande aliança com o "Centrão", surgiram dezenas de "análises" dando como certo que Alckmin avançaria inexoravelmente ao segundo turno. Era torcida. Pura torcida.

Este blogueiro sempre lembrou: esta é uma eleição "anti-sistema" (e aqui falamos da batalha que se trava no chamado "imaginário social"). O apoio do Centrão, mais que nunca, transforma Alckmin no candidato da política, do sistema, das negociatas, o candidato do apodrecido Michel Temer.

É irônico: a Globo e a direita dita liberal inocularam no Brasil, desde 2013, o veneno da anti-política. A ideia de "fora todos os partidos", "política é sujeira", "Estado é corrupto": tudo isso foi usado para construir o discurso que levou milhões de patos amarelos à rua, ajudando a derrubar Dilma.

Não conhecem história. No pós 64, o fim de Lacerda foi melancólico, enquanto o trabalhismo seguiu forte – mesmo perseguido.

O Golpe de 2016 e a prisão de Lula jogaram o PT (aos olhos do eleitor mais simples) pra fora do sistema.

O eleitor pobre/descamisado/subempregado não se impressiona com Lula preso, porque conhece na rua/quebrada/família alguém que também sofreu as agruras de ter sido preso – mais ou menos injustamente.

O PT de Lula é um dos pólos dessa eleição anti-sistema. O outro pólo é Bolsonaro com seus 10 segundos de TV. Os bancos já sabem disso.

Alckmin vai jogar pesado nas próximas semanas (e justiça seja feita: ele atua no limite de suas possibilidades, e sem perder a coerência; até a Reforma Trabalhista ele defendeu em debate na TV).

Mas o tempo atual não é de um candidato que encarne o sistema político, mas de quem represente (no imaginário do eleitor) a chance de enfrentar esse sistema injusto – que gera corrupção, desemprego, e mantem preso o maior líder popular brasileiro.

O mesmo economista de Banco – que (garante minha fonte, presente ao encontro) previu PT x Bolsonaro no segundo turno – fez outra projeção durante a reunião fechada: tanto o candidato fascista quanto o petista tendem a caminhar ao centro quando (e se) chegarem ao poder.

A vitória do PT, diz o Banco, geraria uma reação inicial negativa no mercado, mas seria seguida de maior capacidade de fechar acordos e governabilidade no Congresso. Já Bolsonaro, se vencer, será mais festejado inicialmente nos mercados, mas terá imensas dificuldades de governar.

Essa avaliação – que circula entre banqueiros e empresários, mas não entre eleitores que seguem a ser enganados pela Globo e seus satélites – explica porque Haddad já faz uma inflexão ao centro: o PT pode, no fim das contas, ser o fiador da retomada democrática e econômica do Brasil.*

Explica também porque a quase falida revista da marginal dedica sua capa neste fim-de-semana ao economista de Bolsonaro.

Os bancos (que agora mandam na Veja) já trabalham com esse cenário: é PT x Bolsonaro.

Faço a ressalva de que uma reviravolta sempre pode acontecer. Afinal, Alckmin tem a Globo e o Judiciário – que podem muito, mas não podem tudo…

===

  • No meu entender, o diálogo com o centro será mesmo necessário, na hipótese de uma vitória petista. Mas desde que a direção do PT compreenda que não poderá desmobilizar as bases dessa vez. As bases serão a garantia da negociação, tal qual uma tropa na trincheira é garantia para assinatura de um acordo de paz. O Brasil precisa de um novo acordo, nova Constituinte, e ela só será conquistada com mobilização.
 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso