em MS

Com fraude há 17 anos, ação contra o Sistema S cumpre 2 mandados em MS

A engrenagem do esquema de corrupção está ativa desde 2002 e, conforme a investigação, tem empresas ligadas a um mesmo núcleo familiar

19/02/2019 08h30 - Por: Folha de Dourados

 
Equipe da Polícia Federal na Fiems, que coordena dos Equipe da Polícia Federal na Fiems, que coordena dos "S": Sesi e Senai. (Foto: Henirque Kawaminami)

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

A operação Fantoche, que investiga corrupção envolvendo o Ministério do Turismo e o Sistema S, cumpre dois mandados de busca e apreensão em Campo Grande. Um dos alvos é a Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul), no bairro Amambaí, onde há equipe da PF (Polícia Federal).

São dos "S" ligados à Fiems: Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial ) e Sesi (Serviço Social da Indústria). A reportagem entrou em contato com o presidente da federação, Sergio Longen, que pediu para retornar a chamada e logo desligou.

A ação é coordenada pela Polícia Federal de Pernambuco, com colaboração do TCU (Tribunal de Contas da União), e investiga organização criminosa que cometeu crime contra a administração pública, fraudes licitatórias, associação criminosa e lavagem de ativos.

O cálculo é que o grupo já tenha recebido mais de R$ 400 milhões decorrentes de contratos. Ao todo, são cumprindo 40 mandados de busca e apreensão e 10 mandados de prisão temporária. As prisões são em Pernambuco, Nova Lima (Minas Gerais), Maceió (Alagoas) e Campina Grande (Paraíba). A operação também acontece em São Paulo, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul.

O esquema – A engrenagem do esquema de corrupção está ativa desde 2002 e, conforme a investigação, e tem empresas ligadas a um mesmo núcleo familiar, no setor de publicidade.

O modelo de ação consiste na utilização de entidades de direito privado sem fins lucrativos para justificar celebração de contratos e convênios diretos com o ministério e unidades do Sistema S

Os contratos, em sua maioria, são voltados à execução de eventos culturais e de publicidade superfaturados e/ou com inexecução parcial. Posteriormente, os os recursos são desviados em favor do núcleo empresarial por intermédio de empresas de fachada.

(Campo Grande News)

 

Envie seu Comentário