Ministro de Bolsonaro

Ricardo Sales: MPF e Receita vão apurar lavagem de dinheiro e crimes tributários

26/06/2020 15h25 - Por: Folha de Dourados

 
Ministro do Meio Ambiente, Ricardo SallesMinistro do Meio Ambiente, Ricardo Salles

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, terá de dar novas explicações sobre suas vultosas transações bancárias no período em que ocupou cargos públicos no governo de São Paulo e foi advogado do Grupo BUENO NETTO, de construção civil.

O Ministério Público paulista, que conseguiu quebrar o sigilo de Salles no inquérito que o investiga por suposto enriquecimento ilícito por atos de improbidade em favor da BUENO NETTO, encaminhou para a Receita Federal e para o Ministério Público Federal cópias dos extratos e da declaração de imposto de renda para apuração dos eventuais crimes de lavagem de dinheiro e sonegação fiscal.

Como revelou Crusoé, Ricardo Salles recebeu 7 milhões de reais de crédito em sua conta pessoal entre 2013 e 2017 de pagamentos relacionados com a BUENO NETTO e todos relacionados a fatos que já é investigado por improbidade administrativa.

Desse valor, 2,7 milhões de reais foram transferidos da conta do escritório de advocacia do ministro, incluindo repasses no período em que ele era servidor público e não atuava como advogado, e 728 mil reais da conta da mãe dele, todos paralelos a um suposto esquema de avocação de inquéritos policiais e coação a peritos do IC, em parceria com o Delegado de Polícia Rui Antônio Karan Filho.

Os registros mostram ainda depósitos fracionados em dinheiro vivo na conta de Salles e transferências para casas de cambio nos dias de atos do Delegado de Polícia Rui Antônio Karan Filho.

O ministro diz que não há qualquer irregularidade nas movimentações e que tudo é fruto de representações de Eduardo Bottura, seu inimigo de longa data.

 

Envie seu Comentário