18/05/2018 15h47

Agronomia UFGD – 40 anos de uma existência profícua

Por: Folha de Dourados
 
 
Professor Wilson Biasotto Professor Wilson Biasotto

(*) Wilson Valentim Biasotto

O terreno onde hoje se encontra instalada a Reitoria da UFGD [antigo CEUD], foi doado pelo senhor Wlademiro do Amaral, para a implantação de um curso de Agronomia em Dourados. Isso em 1971, no entanto àquela época, na inauguração do prédio foram anunciados os cursos de Letras e Estudos Sociais. Sonhando com uma escola de agronomia o que Dourados recebeu foi um Centro Pedagógico. Nada mal se considerarmos que a escassez de professores era significativa e incompatível com o crescimento demográfico da região. Mas, se não se concretizou o primeiro projeto, não morreu o sonho.

Anos depois foi constituída uma comissão para elaborar o projeto para implantação do curso de Agronomia: Messias Faria Neto, Abramo Loro Neto e Milton de Paula elaboraram o projeto inicial e em seguida foi criada uma comissão que incluía além dos professores do CEUD, Abramo Loro Neto e Lori Alice Gressller, o Secretário de Agricultura da Prefeitura de Dourados, Osmair Scarpari e um professor do Rio Grande do Sul, contratado especialmente para este projeto, João Pires.

A partir desse embrião foi impressionante a disposição das forças vivas de Dourados para a implantação do curso: lojas maçônicas, clubes de serviços, entidades de classe, políticos locais, a sociedade douradense, enfim, cada qual com o seu poder de fogo, irmanando-se numa caminhada vitoriosa que culminou com a implantação do curso de Agronomia em Dourados em 1978. A união de forças foi importante porque o reitor da universidade desejava implantar o curso em Campo Grande onde, segundo ele, havia melhores condições estruturais.

A Câmara Municipal de Dourados e a Prefeitura Municipal também tiveram papel importante no convencimento do então chanceler da Universidade Estadual de Mato Grosso [UEMT], o governador Garcia Neto, para a implantação do curso em Dourados.

O engenheiro agrônomo José Elias Moreira, prefeito de Dourados àquela época, foi de fundamental importância para o sucesso da abertura do curso, por ter bom trânsito em Brasília e o apoio do governador do Estado. A reunião decisiva para a implantação do curso deu-se em seu gabinete. O reitor, João Pereira da Rosa, insistia em abrir o curso em Campo Grande, alegando falta de espaço físico de laboratórios e até de professores. Espaço físico foi resolvido com a doação de 45 ha de terras pela prefeitura e outros 45 pelo então vereador Celso Muller do Amaral. Laboratórios viriam de verbas estaduais e professores, bem professores o governador disse que buscaria mesmo que fosse na China.

Em 1977, paraninfando a primeira turma de formandos do CEUD, no cine Ouro Verde, o governador anunciou a criação do curso de agronomia já a partir de 1978. Engana-se quem pensa que era fácil abrir qualquer curso de graduação no CEUD antes da criação da UFGD. Foi assim com Agronomia, mas também com Administração de Empresas, Ciências Contábeis, Direito e Medicina, dentre outros.

Mas, enfim, implantado o curso, houve dificuldade de toda ordem: transporte dos universitários, dificuldades da reitoria liberar contratação de professores e construções. Sete professores que já atuavam no CEUD foram os pioneiros da primeira turma: Messias Faria Neto, Abramo Loro Neto, Ana Maria Sampaio Domingues, Walderes Wollf, José Joaquim, João Dimas Graciano e Edgard Jardim Rosa Junior.

Não é demasiado lembrar que em 1978 ainda vivíamos sob a égide de uma violenta ditadura militar e que em janeiro daquele ano vários professores foram demitidos pela alegação de "subversão à ordem vigente". Quero com isso dizer que os professores pioneiros, mesmo o diretor do campus, não podiam se manifestar de uma maneira mais incisiva em relação às necessidades do curso. Então deu-se o fenômeno que, vinte cinco anos mais tarde, repetiu-se com a primeira turma do curso de Medicina. Os alunos movimentaram-se, iam constantemente até a reitoria, foram às ruas e, com grande sacrifício contribuíram para dar ao curso de Agronomia uma estrutura capaz de oferecer à nossa região e ao Brasil enorme contribuição ao desenvolvimento da agricultura.

Serei injusto por não me lembrar de todos os guerreiros daqueles tempos, mas não é possível esquecer-me de Gomercindo Rodrigues, mais tarde companheiro de Chico Mendes. Sua resistência e a sua luta simbolizaram o esforço daquela turma.

Com a UFGD o curso de Agronomia deu origem a Faculdade de Ciências Agrárias, com os cursos de Agronomia, Engenharia Agrícola, Engenharia de Aquicultura e Zootecnia e os programas de Mestrado e Doutorado em Agronomia, Mestrado em Engenharia Agrícola e Mestrado em Zootecnia. Atuam nesses cursos 60 professores e dezenas de capacitados técnicos e funcionários administrativos.

Não é tarefa fácil edificar em apenas 40 anos uma Faculdade reconhecida em âmbito nacional, formar profissionais capacitados, desenvolver pesquisas e extensão universitária. Por isso, em homenagem aos precursores e aos atuais envolvidos no curso, esse ano é para festejar, com palestras, histórias, participação daqueles que contribuíram para com o curso e, se possível muita música.

(*) Professor aposentado e Membro da Academia Douradense de Letras. e-mail: biasotto@biasotto.com.br

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso