Uma notícia gerou revolta nesta manhã de sexta-feira (5). Um documento do Ministério da Saúde colocou presos como grupo prioritário em relação aos agentes carcerários e policiais. De acordo com o documento, os presos aparecem na 17° posição, na frente dos agentes que trabalham no sistema carcerário (18º) e também dos integrantes das forças de segurança e salvamento (21º).

Assim, a divulgação do documento revoltou os Secretários estaduais de Segurança que acionaram o Ministério da Justiça para pedir a revogação do documento.

Prontamente, alguns gestores afirmaram que não seguiram a lista de prioridades emitida pelo documento. “Aqui no estado nenhum preso vai vacinar antes. Não existe isso. Aqui são 20 mil servidores da força, foram 32 mortes por Covid-19. Temos aqui cerca de 23 mil presos. Foram 5 mortes. Nem estatisticamente isso se justifica. Nossos servidores estão muito mais expostos, sem dúvida”, afirmou Rodney Miranda, secretário de Segurança do Goiás.

A ideia do documento é provavelmente reduzir a contaminação por covid-19 nos presídios, onde os presos ficam amontoados em selas e sem nenhum tipo de proteção contra o vírus. No entanto, a ideia não agradou nem um pouco parte da população.

Da redação Acontece na Bahia.

Comentários do Facebook