Professora Nádia Sol Neves Rondon, foi morta pelo ex no dia do seu aniversário. Foto Reprodução

Mais de um ano depois do crime, foi marcado para dia 21 de outubro às 13h30, no Tribunal do Júri do Fórum de Corumbá, o julgamento do réu confesso Edevaldo Costa Leite, de 32 anos. No dia 10 de março de 2019, ele assassinou com 36 facadas, a professora Nádia Sol Neves, por não aceitar o termino da relação.

Segundo o Diário Corumbaense, o crime aconteceu no dia em que ela completou 38 anos, na Alameda Adelina, bairro Universitário. Edevaldo esperou a vítima chegar em casa e a surpreendeu. Após uma discussão, ele pegou uma faca que estava no batente da janela e desferiu 36 golpes na professora. Ela foi atingida nas costas, tórax, rosto e braços.

Testemunhas disseram que viram o homem arrastando a vítima pelos cabelos para a rua e logo acionaram a Polícia Militar. Os bombeiros também foram chamados, prestaram o atendimento emergencial e depois a removeram para o pronto-socorro. Em seguida, Nádia foi encaminhada para o centro cirúrgico da Santa Casa de Corumbá, mas não resistiu.

A população ficou chocada com a brutalidade do crime. Edevaldo se apresentou à Polícia Civil, foi indiciado por feminicídio e está preso no Estabelecimento Penal Masculino. Ele vai a júri popular e pode pegar de 12 a 30 anos de prisão.

A data do julgamento foi publicada no dia 16 de setembro, do Diário Oficial da Justiça. Todos os protocolos de prevenção à covid-19 vão ser seguidos durante o júri. (MidiaMax)

Comentários do Facebook