Tá dito: “Uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida” (Sócrates)

José Henrique Marques –

Modus operandi – Até na política de comunicação o prefeito de Dourados Alan Guedes (PP) se inspira no governo de Jair Bolsonaro (PL). Àquilo que a CEF preconiza de usar publicidade para censurar a imprensa vem ocorrendo desde os primeiros dias da atual administração municipal. Ai de quem receber mídia da Prefeitura e noticiar sobre o caos na saúde, a buraqueira, escuridão e sujeira de ruas e avenidas, dos kits robóticos, licitações problemáticas, publicidade suspeita etc… Tudo seria fake news.

F‘ops’ da Publicidade – A Prefeitura de Dourados continua despejando milhares de reais do contribuinte no tal site de Maracaju, em sites de Campo Grande, Sidrolândia e até mesmo de um distrito.

F‘ops’ da Publicidade 2 – Enquanto isso, a página “Transparência Assecom” ainda não entrou no ar em 2022.

Site de Maracaju, F‘ops’ da Publicidade, crime ambiental da Prefeitura e nem vice

Outro lado – Denúncia (confirmada) que a Folha de Dourados recebeu na quarta-feira (27/07): “Bom dia! Mando-lhe esta informação com o pedido de sigilo da fonte jornalística. A Prefeitura Municipal está praticando crime ambiental neste momento no Bairro III Plano. Naquela obra da contrução de um acesso até ao Jardim Europa, na Rua Hayel Bom Faker, logo abaixo da Igreja São Carlos, se você for no campo de futebol do Céper do III Plano verá que tem um marco verde ali próximo da mata do lado esquerdo da rua, e que foi colocada uma montanha de terra em cima da mata e árvores cortadas. Não poderia ter sido feito isso porque ali é uma área de preservação ambiental, o próprio marco verde está ali para marcar isso e sendo ignorado. O segundo crime ambiental é que se você ver ao lado do parquinho do Céper do III Plano, no final da rua João Cândido do Câmara, também tem um marco verde ali sinalizando aquilo como área de preservação ambiental e neste exato momento tem caminhão e trator da Prefeitua Municipal devastando aquela área, outro crime ambiental”.

Outro lado 2 – No mesmo dia, na quarta-feira passada, a Folha solicitou esclarecimentos da Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura de Dourados. Até agora, nada.

Outro lado 3 – O caso foi encaminhado pela Folha ao presidente do Conselho Municipal de Meio Ambiente, o arquiteto e urbanista Ronaldo Ferreira Ramos.

Coadjuvante – Pelo andar da carruagem, nessas eleições Dourados não servirá nem para indicar candidato a vice-governador. A “esperança” que resta está depositada no MDB e no União, que ainda não oficializaram suas chapas.

Coadjuvante 1 – Burburinhos pela cidade apontam que a professora Zélia Nolasco Freire pode ser a vice de André Puccinelli, do MDB.

Coadjuvante 2 – Também se especula que o vereador Marcelo Mourão possa ser o indicado do Podemos para ser o vice de Rose Modesto, do União Brasil.

Coadjuvante 3 – Já a candidata a governadora do PT convidou o ex-prefeito Laerte Tetila para o cargo. O “Major” declinou. A bola da vez pode ser o presidente do diretório municipal, João Carlos de Souza, o Joca.

Protagonista – Por enquanto, à véspera do prazo final das convenções partidárias (5 de agosto), Dourados e região terá apenas um representante em chapa majoritária: o professor Tiago Botelho, que é candidato ao Senado pelo PT.