Na madrugada do último sábado, Thomas de Sousa Barros Lima, 32, enviou uma mensagem para a esposa que parecia ser um pedido de socorro: “Se der ruim, sabe onde estou. Gardênia”. Desaparecido desde então a família do comerciante busca informações de seu paradeiro. Horas após iniciar as buscas, amigos e familiares encontraram o carro de Thomas Lima incendiado próximo à favela da Gardênia Azul — região dominada pela milícia na Zona Oeste do Rio.

Último contato entre o comerciante e a esposa
Último contato entre o comerciante e a esposa

Parentes contam que o comerciante foi trabalhar normalmente no bar da família que fica no bairro do Pechincha, Zona Oeste do Rio, na noite do sábado. No fim do expediente, por volta de 2h30, ele contou que iria encontrar um amigo identificado como Jefferson ou “DJ” em uma boate que fica próxima ao estabelecimento. Pouco tempo depois, ele fez o último contato com a mulher, que já estava dormindo, e com um amigo enviando um vídeo que parecia ser de um baile funk.

Thomas de Sousa Barros Lima, 32, desaparecido desde sábado
Thomas de Sousa Barros Lima, 32, desaparecido desde sábado

Ao buscar informações na manhã de domingo já na Gardênia, a família ouviu relatos que houve uma briga no bar em que Thomas estava e que um carro do mesmo modelo do comerciante foi visto deixando a favela. Thainá de Souza, irmã do comerciante, ainda conta haver relatos de que ele teria sido levado para dentro da favela e executado. Ela acrescenta que, desde o desaparecimento, a família tenta contato com o rapaz que estava com Thomas naquela noite, mas não consegue conversar com ele. O caso é investigado pela Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA).

— Não temos mais esperança de encontrá-lo vivo. Só queremos respostas do porquê isso aconteceu com ele e dar dignidade à familia com o enterro. Os filhos deles só choram pedindo o pai. O filho mais velho de 9 anos perguntou ontem se não ia conseguir se despedir do pai — desabafa Thainá.

Carro de Thomas, encontrado carbonizado
Carro de Thomas, encontrado carbonizado

Ainda na noite de domingo a família recebeu informações de que o carro de Thomas tinha sido incendiado em uma área abandonada na Avenida Ayrton Senna. Após perícia da Polícia Civil no veículo, nenhum corpo foi encontrado no local. Amigos do comerciante ainda voltaram nesta quarta-feira para realizar outra busca no lugar e encontraram outro veículo queimado e a placa do carro de Thomas. Em outro local dentro da Gardênia conhecido como “campo do favelão”, próximo ao baile funk para onde o comerciante teria sido levado, a polícia encontrou marcas de sangue no chão.

— Não foi a primeira vez que ele foi à Gardênia. Ele tinha conhecidos lá, mas não sabemos o que pode ter motivado isso — diz a irmã.

EXTRA

Comentários do Facebook