No ultimo sábado (07), o empresário e ex-deputado estadual Roberto Razuk celebrou o seu aniversário.

09/03/2020 15h29 – Por: Folha de Dourados

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

Recentemente, o portal MGSnews transcreveu parte da entrevista concedida pelo ex-deputado em 2007 ao Núcleo de Linguagem e História da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems), onde acadêmicos do programa de pós-graduação (mestrado) em História estiveram na residência do empresário registrando informações do seu mandato parlamentar por oito anos na Assembléia Legislativa.

Razuk nasceu em Campo Grande no dia 07 de março de 1941, filho de pai que imigrou do Líbano logo após a Primeira Guerra Mundial, mas com descendência turca, os avós residiam numa aldeia na região norte a Turquia. Ele foi formado em família de pais católicos, ainda jovem foi coroinha, com o advento da Segunda Guerra Mundial houve uma certa perseguição contra cristãos, ocorrendo a vinda da família ao Brasil. Na adolescência registra lembranças boas em Campo Grande formada na época por várias comunidades do exército, em especial da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando-se a forte presença da estrada de ferro Noroeste do Brasil, onde a chegada do trem era sempre motivo de festa na estação.

Roberto lembra-se bem que grande parte dos deslocamentos de políticos oriundos de Corumbá e Três Lagoas se davam através dos vagões, pois o transporte rodoviário era tímido, as estradas eram precárias em deslocamento de automóveis. No transporte coletivo havia a expresso baleia, onde jardineiras faziam o trajeto de Campo Grande a Cuiabá.

Na infância e adolescência, Roberto cursou o primário no Internato “São José”, o segundo grau no Colégio Dom Bosco em nível ginasial e parte do científico, atual ensino médio. Posteriormente mudou-se à São Paulo, terminado o segundo grau no Rio de Janeiro, prestou vestibular ao curso de engenharia em Barra do Piraí, mas em função do seu envolvimento político, veio a trancar a matrícula, pois com o Ato Institucional nº 5 do Governo Militar, os alunos ficavam impedidos por cinco anos de ingressar no ensino público. Assim veio a desistir do curso e se dedicar a atividades empresariais.

Desde 1970 residindo na região Sul do Estado, Razuk sempre desenvolveu a prestação de serviços na área social, com forte presença na periferia de Dourados, colecionando assim um público cativo, que em grande parte o segue tradicionalmente, independente da disputa por cargos eletivos.

Aos 32 anos, Razuk casou-se em 1973 com Délia Razuk, é pai de quatro filhos que segundo ele, sempre muito obedientes e amorosos. Foi deputado estadual de 1987 a 1994, quando decidiu encerrar a carreira por entender que já havia prestado serviços ao seu estado.

Um dos principais destaques na vida pública de Roberto Razuk foi impulsionar ações pela concepção e idealização da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems), projeto este que antes foi gestado na elaboração da Constituição Estadual em 1979, quando o então deputado estadual Valter Carneiro inseriu na carta a obrigação do Governo do Estado implantar esta Universidade com sede em Dourados.

A partir de 1988, Roberto foi presidente da comissão de sistematização da constituição estadual, onde reafirmou nas disposições gerais a normativa prevendo a Instituição de Ensino Superior com sua sede em Dourados. Em 1990, Valter Carneiro não foi reeleito ao cargo de deputado estadual, assim o colega Roberto sempre fez embates e proposições legislativas induzindo a montagem de comissões pró-implantação da Uems.

Foi neste período que o então governador Pedro Pedrossian atendeu o parlamentar numa reunião de cortesia, e surgiu novamente a ideia do nascimento da Instituição. “Eu perguntei, Dr Pedro, porque você não cria a Uems, sendo o único governador do país a implantar três universidades. Ele mudou o assunto, mas pontuou, Razuk você mesmo sabe que eu já sou o governador responsável pela consolidação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)”.

Após o encontro, no dia seguinte eram cinco horas da manhã, e tocou o telefone da residência de Roberto, no outro lado da linha era Maurício Vanderlei que pertencia ao quadro efetivo de docentes da UFMS, posteriormente foi conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). O ajudante de ordens afirmou que o governador Pedro Pedrossian mandava dizer que Dourados ganhou uma Universidade, e desejava atender Roberto no Palácio da Governadoria às seis horas. Era assim era realçada uma característica visionária de Pedrossian, pois quando Roberto chegou em sua sala, se deparou com um homem que deveria ter passado a noite em claro, com papeis sobre a mesa, inclusive rascunhando a distribuição do terreno para a construção da sede da Uems que seria anexo à UFMS, para futuramente realizar a fusão e criar a atual cidade universitária.

Porém, apesar da classe política de oposição na época rechaçarem os fatos, foi graças ao trabalho politico de Roberto Razuk que nasceu a consolidação da sede da Uems em Dourados, sempre com o apoio incondicional dos colegas que também eram deputados estaduais, Valdenir Machado e Humberto Teixeira, o ultimo que mais tarde se tornou prefeito de Dourados.

Após a decisão política do governador, foram necessários a realização de estudos técnicos na área educacional delimitando as cidades onde seriam distribuídos os 17 polos regionais da Uems, e na equipe de assessores do deputado Razuk fazia parte a professora Sandra Freire, esta ficou responsável por visitar as Universidades Estaduais já existentes no Paraná, em especial nas cidades de Maringá e Londrina, coletando dados e oferecendo subsídios a secretária estadual de educação Leocádia Petri Leme, que montou o organograma da Instituição, para o seu lançamento em Dourados.

Entre os oposicionistas na época se destacaram os professores do Centro Universitário de Dourados (Ceud), tanto que foi realizada uma audiência pública no Alphonsus Hotel de Dourados, estiveram presentes membros da comissão de implantação da Uems da qual faziam parte Ari Rigo vice-governador, o próprio Roberto Razuk representando a Assembleia Legislativa, e Leocádia Petri secretaria estadual de educação.

No dia do lançamento da pedra fundamental da Uems em Dourados, Roberto Razuk não foi convidado pelo cerimonial da Prefeitura de Dourados, sabendo desta disputa partidária, decidiu viajar aos Estados Unidos visitando a filha (Flávia) que reside (reidia) em Las Vegas, foi quando o telefone toca no meio do caminho, era o chefe de gabinete do governador Pedro Pedrossian, Maucício Vanderlei, perguntando pela sua presença, mas era tarde, o parlamentar estava a quilômetros de distância, mesmo assim foi homenageado com nome de uma avenida na Cidade Universitária e paraninfo da formatura de várias turmas. (Do Portal MGSnews)

Fonte: Núcleo de Linguagem e História da UEMS.

Fotos: Roberto Higa / Arquivo ALMS.

Roberto Razuk e sua dimensão histórica - a luta pela criação da UEMS

Comentários do Facebook