(imagem cena de paixão de cristo – div)

Por Susiana Drapeau, na Carta Campinas –

Os setores democráticos, republicanos e laicos da sociedade têm encontrado dificuldade para vencer o poder econômico e religioso de algumas seitas evangélicas e de outros credos que decidiram tomar o Estado de assalto e se enriquecer associados a milicianos, reacionários e representantes do pior dos mundos.

Não é possível combater o discurso da fé na política com o discurso racional-iluminista.

É preciso adentrar às contradições dessas novas seitas pluto-religiosas. Para defender o Estado laico, a racionalidade e o processo civilizatório é preciso entrar no debate político-religioso que os partidos evangélicos e pseudocristãos instalaram no Brasil.

É preciso ir no calcanhar de Aquiles desses grupos religiosos e afirmar em alto e bom tom que “Deus não aceita propina”. Dar dinheiro para pastores é tentar corromper Deus. Deus não vai fazer favor a quem tenta comprá-lo. Isso é corrupção da fé. A fé não pode ser comprada. Deus não aceita propina.

Deus não apoia o uso de armas, Deus não quer que você tenha um equipamento que só server para uma coisa: matar outro ser humano por motivo de raiva, ódio ou fúria. Essa é a lógica do uso da arma de fogo, usá-la em um momento de fúria e raiva. Na maioria das vezes, esse é o grande uso. Isso é totalmente anticristão.

Deus não quer que você seja o responsável pela Segurança Pública, que é obrigação dos políticos e do Estado. A compra de arma para fazer a própria segurança é permitir a corrupção do Estado. Se o Estado não promove a Saúde, a Educação e a Segurança, para que serve o Estado? Apenas para arrecadar para rachadinhas da corrupção?

A lógica de se fazer a própria segurança com armas é a outra face da corrupção, facilita a corrupção, porque faz a população abandonar a cobrança das obrigações dos políticos.

Deus não apoia torturadores, Deus não diz que torturadores são cidadãos de bens. Deus condena torturadores. Jesus foi torturado. O Deus cristão, especialmente, vive na compaixão, no amor, no afeto, não na violência, no sarcasmo ou na mentira. Deus não dá liberdade individual para a violência, para o crime ou a vingança. Isso é atitude de anticristo. É preciso banir o Anticristo da política.

Deus não apoia o mentiroso. Deus não é mentiroso. Deus diz somente a verdade. E a verdade não pode ser feita por um discurso mentiroso, falso, enganador. Esse é o Anticristo que faz.

O Anticristo sempre, em toda a eternidade, vai tentar se passar por Deus, por religioso, por filho de Deus, por representante de Deus. Mas Deus não dá procuração a ninguém, muito menos a falsários e mentirosos em busca do enriquecimento.

Deus não mente, todos nós sabemos que Deus não mente, não é mesmo?

Comentários do Facebook