Papa Francisco na missa de Páscoa (Foto: Vatican News)

Papa Francisco ainda lembrou dos católicos que não podem ir à missa por causa da pandemia. “Rezemos para que tais limitações, bem como toda a limitação à liberdade de culto e religião no mundo, sejam removidas”

Em mensagem ‘Urbi et Orbi’ – para a cidade e para o mundo – no Domingo de Páscoa, comemorado pelos cristãos neste 4 de abril, o papa Francisco pediu o compartilhamento de vacinas contra a Covid-19 “especialmente com os mais pobres”.

“No espírito de um internacionalismo das vacinas, exorto a inteira comunidade internacional a um empenho conjunto para superar os atrasos na distribuição e favorecer o compartilhamento, especialmente com os mais pobres”, disse o papa.

Na missa de Páscoa, realizada na Basília do Vaticano, Francisco afirmou ainda que “a pandemia está ainda em pleno desenvolvimento; a crise social e econômica é muito pesada, especialmente para os mais pobres; apesar disso – e é escandaloso –, não cessam os conflitos armados e reforçam-se os arsenais militares”.

O líder católico ainda lembrou dos católicos que não podem ir à missa por causa da pandemia. “Rezemos para que tais limitações, bem como toda a limitação à liberdade de culto e religião no mundo, sejam removidas e cada um possa livremente rezar e louvar a Deus”.

Para o papa, a ressusceição de Cristo, comemora pelos cristãos na Páscoa, representa a esperança para quem sofre devido à pandemia, para os doentes e para quem perdeu um ente querido, para os desempregados, para os médicos e enfermeiros.

“No meio das múltiplas dificuldades que estamos a atravessar, nunca esqueçamos que fomos curados pelas chagas de Cristo (cf. 1 Ped 2, 24). À luz do Ressuscitado, os nossos sofrimentos são transfigurados. Onde havia morte, agora há vida; onde havia luto, agora há consolação”, escreveu em sua página no Twitter.

Na homilia, Francisco ainda conclamou os povos a vencerem a mentalidade da guerra e lembrou dos refugiados de conflitos na Síria, Iêmen, Líbia, Ucrânia, e Nigéria, bem como a região de Tigré e Cabo Delgado, em Moçambique.

“No mundo, há ainda demasiadas guerras, demasiada violência! O Senhor, que é a nossa paz, nos ajude a vencer a mentalidade da guerra”, disse.

Comentários do Facebook