A Prefeitura de Dourados realizou na sexta-feira (19) o encerramento da “Semana Nacional de Prevenção do Câncer de Boca”, no Anfiteatro da Unigran. A ação foi promovida pelo Núcleo de Atenção à Saúde Bucal e contou com a participação de dentistas e auxiliares do SUS (Sistema Único de Saúde). Cerca de 100 pessoas participaram do evento. 

A dentista e professora pela UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), Fátima Heritier Corvalan, palestrou sobre o tema “Manifestações Clínicas e Radiográficas na Cabeça e Pescoço para Detecção Precoce do Câncer de Boca”, durante a palestra ela apresentou dados e destacou que em 85% dos casos de câncer de boca são diagnosticados em estágios avançados, comprometendo a saúde geral do paciente.

“Os profissionais de saúde devem estar atentos às queixas do paciente, como também, ao reconhecimento de lesões e sintomatologia. É de suma importância que em todas as especialidades odontológicas, dentistas tenham capacitação e olhar clínico mais apurado neste contexto de câncer bucal”, ressaltou.

Apesar de fazer o diagnóstico do câncer bucal, os dentistas não realizam o tratamento da doença, mas acompanham o paciente em todas as fases do tratamento, inclusive no preparo para a quimioterapia e radioterapia. Em alguns casos, o acompanhamento continua já que a doença pode deixar sequelas que precisam ser tratadas. 

“O diagnóstico do câncer depende do esforço do paciente, em procurar o serviço médico no início dos sintomas, e da perspicácia do profissional de saúde em considerar a possibilidade de câncer, estabelecendo o pronto diagnóstico e adequado encaminhamento. Quanto maior o atraso do diagnóstico, mais avançada é a doença e menores são as chances de cura”, reforçou. 

A apresentação incentiva o diagnóstico precoce da doença, para que o tratamento seja menos radical e com maiores chances de cura, podendo alcançar até 95%. Na sequência, foi realizada uma mesa redonda com os dentistas: Fátima Heritier Corvalan, Márcia Rodrigues Gorisch e Alcides Moreira. Nesta mesa os dentistas puderam fazer perguntas e discutir casos clínicos. 

Comentários do Facebook