Campo Grande

Guardião de plantas, bichos e nascentes, Parque das Matas do Segredo é ótima opção de passeio

O parque ocupa 177 hectares na região Norte de Campo Grande, sendo costeado por bairros populosos como o Jardim Presidente e o Nova Lima

27/01/2019 10h31 - Por: Folha de Dourados

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

Há um passeio muito prazeroso e acessível que, no entanto, poucos campo-grandenses conhecem, apesar de estar localizado dentro da cidade. O Parque Estadual Matas do Segredo é um tesouro da natureza que abriga espécies de fauna e flora do Cerrado. E como o nome sugere, guarnece mais de 30 vertentes que se juntam ainda em seu interior para formar o Córrego Segredo, importante curso d’água que ao encontrar o Prosa, quilômetros abaixo, apontou também o local a partir de onde o povoamento se iniciaria para formar a futura Capital de Mato Grosso do Sul.

O parque ocupa 177 hectares na região Norte de Campo Grande, sendo costeado por bairros populosos como o Jardim Presidente e o Nova Lima. Criado em 2000 por decreto, antes disso já era área de relativa conservação: em 1993 ganhou o título de Jardim Botânico de Campo Grande, uma década atrás era a Chácara Santa Inês, propriedade do antigo Previsul. Sua origem, no entanto, remonta à chegada dos imigrantes japoneses em Campo Grande, na segunda década do Século XX. Eles compraram chácaras nas imediações para cultivar café e verduras. Vestígios da época ainda estão preservados na parte inferior do Parque, cuja vegetação está em fase de recuperação, e é cortada por canais de irrigação cavados pelos colonos japoneses.

O passeio aconteceu na manhã do dia 17 de janeiro, uma quinta-feira. No grupo de 12 pessoas, Lourenzo (4) e Gabriela (9) eram os mais animados. As adolescentes Isabella Maria e Rebeca (13) tentavam esconder a ansiedade, enquanto as veteranas Edna Duarte Slavec e Dinair Resende Marques, servidoras da Fundação de Turismo do Estado, elevavam o nível do humor e aumentavam as expectativas de todos em relação ao que veriam e sentiriam.

Eram 9 horas quando o grupo partiu do receptivo – uma bela estrutura com dependências administrativas, auditório, alojamentos para até seis pessoas, cozinha industrial, salas de aula e vestiários para os alunos do Projeto Florestinha. Guiados pelo guarda-parque Luís Andino Matas, iniciamos a caminhada pela Trilha do Turista, após rápida parada para fotos na placa que identifica alguns animais já vistos no Parque: tamanduá, anta, tatu, mutum, macaco, veado. A passos lentos, intercalados por explicações do guia, o grupo foi penetrando na mata fechada enquanto sentia a temperatura amenizar.

Alternando trilhas, o guia conduz à principal nascente do Córrego Segredo, um esguicho persistente de água cristalina perfeitamente protegido pela vegetação. Parada para fotografias e o retorno por outras trilhas até chegar de volta ao receptivo às 10h10 da manhã, após haver percorrido 1,6 quilômetro entre as matas. Bicho ninguém viu, apenas pegadas de anta, veado, muito canto de pássaros, árvores majestosas e construções curiosas da natureza, como os fungos raros que parecem corais, avenidas de formigueiros e o galho cortado caprichosamente por um besouro para esconder seus ovos na madeira.

O passeio pelo Parque Estadual Matas do Segredo é um afago à alma, um sopro verde dentro da cidade ao alcance de todos os moradores de Campo Grande. Protegido por muros, alambrados e cercas, a natureza respira aliviada na área cheia de importância histórica, hoje lar de inúmeras espécies que encontram ali um abrigo seguro para viver e se reproduzir. A pureza do ambiente não é falácia, o guia Luís da Matas mostra a prova: manchas esbranquiçadas na casca das árvores causadas por fungos chamados líquens e que só se desenvolvem longe da poluição.

 

Envie seu Comentário