Câmara de Dourados

Comissão admite não haver 'provas cabais', mas pede a cassação de Idenor Machado

A comissão processante que analisa as acusações contra o ex-presidente da Câmara, o vereador afastado pela Justiça Idenor Machado (PSDB), entregou no início desta tarde o parecer à Mesa Diretora recomendando a cassação por quebra de decoro parlamentar, embora frise não haver provas cabais

16/05/2019 15h49 - Por: Folha de Dourados

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

A comissão processante que analisa as acusações contra o ex-presidente da Câmara, o vereador afastado pela Justiça Idenor Machado (PSDB), entregou no início desta tarde o parecer à Mesa Diretora recomendando a cassação por quebra de decoro parlamentar, embora frise não haver "provas cabais".

Também acusados pelos mesmo supostos crimes, os vereadores Pedro Pepa (DEM) e Cirilo Ramão (MDB) foram absolvidos pelo plenário, depois que respectivas comissões processantes relataram pelo arquivamento das denúncias, ou seja, inocentando-os.

Segundo o relator, Junior Rodrigues (PR), o ex-presidente "denegriu a imagem do Parlamento" ao ser preso na Operação Cifra Negra do MPE -MS (Ministério Público Estadual) no dia 5 de dezembro de 2018, que denunciou suposto esquema de fraudes em licitações na Câmara de Dourados.

No parecer, o relator afirma que "poder-se-ia alegar em última e rasa análise que não haveria provas cabais da prática de atos indevidos por parte do Denunciado, tais como: confissão, interceptações telefônicas, recibos de pagamento, depósitos bancários, ou algo assim, mas se considerássemos apenas o fato de o Denunciado ter sido ter sido preso, por longo período, processado, e futuramente será julgado o coloca no rol daqueles que denegriram a imagem do Parlamento, e por isso deve ser aqui, neste campo, punido com a pena capital, a perda de mandato, sob pena de aumentar-se ainda mais o descrédito da classe política, algo evidente entre a população", pontua a comissão processante.

Com parecer que pede a cassação do mandato, Idenor deverá ser submetido a sessão especial de julgamento na Câmara de Dourados possivelmente na sexta-feira (17).

 

Envie seu Comentário