Dourados - Música boa

Encerramento do 5º Fesdom será com três shows gratuitos

25/10/2018 11h26

Encerramento do 5º Fesdom será com três shows gratuitos

 

O 5º Festival Douradense de Música (Fesdom) chega ao seu último final de semana com três shows gratuitos: Gibão Alaká (SP), às 20h, na sexta-feira, no Teatro Municipal; Catarse Retrô, às 22h, também na sexta-feira, só que na ADUF Dourados (Rua Arthur Frantz, 290, Parque Alvorada) e; Marcelo Loureiro, às 20h de sábado, no Teatro Municipal.

Gibão Alaká é um grupo de São Paulo formado por Rodrigo Nascimento (arranjador, saxofonista e tecladista), Pedro Goitein (guitarrista, compositor e arranjador), Vinicius Alves (trombone), Felipe Roque (trompete), Matheus Marques (baterista e percussionista) e Celso Marques (flautista e saxofonista).

Eles trabalham ritmos afro-indígenas brasileiros introduzindo-os no universo da música instrumental. A base do grupo é composta através das melodias produzidas pelo batuque dos tambores que caracterizam a música brasileira, com enfoque no diálogo híbrido rítmico entre bateria, percussão e cordas.

Já a Catarse Retrô é uma banda sul-mato-grossense de MPB, folk, indie e rock alternativo formada em maio de 2015. O projeto trouxe a proposta de produzir músicas autorais e, para tanto, pesquisou os estilos de vários artistas e compositores tais como Rubel, Johnny Hooker, Cícero, Yann Tiersen, Beirut, A banda mais bonita da cidade, Marcelo Camelo, Ney Matogrosso, Rita Lee, Leo Fressato e outros; para depois rearranjá-los e formar o estilo do grupo.

O grupo tem Camila Brusamarello (vocal, guitarra e ukulele), Diego Marques (bateria e percussão), Matheus Arakaki (guitarra e vocal), Kezia Miranda (multi-instrumental) e Breno Mandetta (vocal).

Para encerrar o 5º Festival Douradense de Música, um dos maiores instrumentistas do País, Marcelo Loureiro, que é sul-mato-grossense, mostrará a mescla diferentes estilos musicais e a busca novos caminhos dentro da arte do violão, predominando influências da música folclórica latina. Autodidata, no decorrer dos seus estudos se dedicou a pratica de outros instrumentos. Adaptou a técnica utilizada no violão para a viola caipira e a harpa paraguaia, que atualmente fazem parte de seus shows.

O Festival começou em 17 de outubro e é uma realização da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) em parceria com o Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, Secretaria de Cultura do Município de Dourados, Banco Sicredi e ADUF.

 

Envie seu Comentário