'Utopias Negras'

Começa nesta quarta-feira: Festival Latinidades realiza 13ª edição totalmente on-line

22/07/2020 07h12 - Por: Folha de Dourados

 

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

Começa nesta quarta-feira (22 de julho) o Festival Latinidades, o maior festival de mulheres negras da América Latina. A 13ª edição do festival, com a parceria da Converse, tem o tema 'Utopias Negras' e homenageará: Mãe Dalva Damiana, da Irmandade da Boa Morte, na Bahia; a voz do milênio, a cantora carioca Elza Soares; e a artista Elisa Lucinda, do Espírito Santo, fundadora da Casa Poema, onde publicou livros de poemas.

22 de julho, quarta-feira

10h Abertura - Abertura: Papo de Futuro - atividade realizada em parceria com a Crespinhos S.A (RJ). Pela primeira vez em treze anos, teremos a honra de abrir o festival com uma conversa entre crianças. O papo de Futuro é uma troca de ideais com 5 crianças pretas cariocas, com idade de 9 a 11 anos. Mediadora: Renata Morais (de frente na Crespinhos S.A e RM Produções. Produz o Bailinho da Crespinhos, desde 2015). Participantes: Márcio Jr ( estudante, empreendedor da MJ Bricks - empresa de acessórios divertidos e palestrante em empresas e escolas), Elis MC ( criança, cantora,modelo, dançarina e rimadora. Já viajou pelo Brasil, hoje é força nas redes sociais e já gravou 4 singles autorais e 4 clipes produzidos), Layza Griot (Ela já fez peças teatrais, participou de musicais e é futuro do jongo no Brasil), Vitória Cunha (bailarina, dubladora e modelo e tem uma rotina ativa como dançarina da Crespinhos Dança ) e Gabriel ( dançarino da Crespinhos Dança e se tornou ícone no Bailinho da Crespinhos).

Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

14h - Espaço Infantil: Pretinhosidades - Latinidades e Pretaria BlacKids se juntaram para realizar o projeto, elaborado pelo Grupo Editorial Pretaria BlackBooks e Aflorarte Produções. O principal objetivo é levar arte, cultura, diversão e literatura de autoria negra para as casas das famílias brasileiras. Oficina: Oralidades e brincadeiras de matrizes africanas - Malego Lalá - O objetivo da oficina é experimentar as formas de aprendizados no modo de brincar africano e a força da ancestralidade, com brincadeiras para combater o racismo e solucionar problemas.

Onde acessar: Canal Pretariablackids, no instagram

15h - Mesa: Arte, utopia e criatividade - Será uma conversa com realizadoras e criadoras negras sobre utopias, subjetividades e processos criativos. A mesa será mediada por Val Benvindo ( empresária, produtora, jornalista, comunicóloga e vodunsi) e com a participação da Elisa Lucinda ( poetisa e idealizadora e fundadora da Casa Poema), Giovanna Heliodoro (historiadora, comunicadora, afrotransfeminista, produtora do Festival TransViva!, Colunista do Influência Negra e Social Media. Integra ao EQUI articulando ações acerca da inclusão de diversidade no mercado de trabalho. É produtora de conteúdo do perfis Trans Preta e uma das autoras do livro Raízes - Resistência Histórica), Bia Manicongo (atriz e rapper, a artista paraibana, Bia Manicongo também conhecida como Bixarte, tem apenas 19 anos e é hoje uma dos maiores nomes do Rap Paraibano) e Gabriela Loran (atriz, palestrante, influenciadora digital, transfeminista).

Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

23 de julho, quinta-feira

15h - Mesa: Diálogos sobre comicidade - A convite do festival, a artista e pesquisadora Ana Luiza Bellacosta irá compartilhar sua pesquisa e liderar dois diálogos com profissionais das áreas da palhaçaria, cultura popular e stand up comedy, para discutir como rever conceitos e aprofundar o debate de gênero e raça no fazer do humor. Ana Luiza tem dedicado alguns bons anos a uma pesquisa profunda sobre a comicidade e a questão racial nas artes. A proposta é ressignificar a expressão pejorativa do que se conhece como Humor Negro.1º diálogo: Comicidade negra - a história não contada nas universidades e academias. O protagonismo e a representatividade negra em festivais de circo e teatro. Convidada: Cibele Mateus - pioneira, atriz, pesquisadora da cultura popular e comicidade negra. 2º diálogo: Racismo recreativo: O que é? Como identificá-lo? Como podemos percebê-lo e combatê-lo nas linguagens da palhaçaria e comicidade? Convidado: Edson Duavy - ator e comediante brasiliense. Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

18 às 21h - Pré-Ella (Encontro Latino Americano de Feminismos) - A programação de lançamento será realizada em parceria com o FDE, Mídia Ninja.

18h - Pré ELLA Pretas - Mulheridades negras na América Latina debatem ancestralidade, educação, política, cultura e a presença na comunidade LTQIAP+.

20h30 - ELLAs Criam - Ao vivo cultural e balanço do dia Somando a programação cultural, o Sarau Musicado da Colômbia.

Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

24 de julho, sexta-feira

15h - Mesa: A utopia da paz: políticas de drogas e agenda antirracista. Esse debate ser´será realizado pela Iniciativa Negra por Uma Nova Política Sobre Drogas e Plataforma Brasileira de Política de Drogas. Segundo o documento interno da Iniciativa Negra, de 2018,

"O Brasil nunca lidou bem com seu passado colonial. Depois da Abolição formal da escravidão, uma imensa massa de pessoas ex-escravizadas se distribui na paisagem das cidades, entre as camadas mais empobrecidas da população. Sedimenta-se assim a associação entre cor da pele e pobreza, bem como o contraponto entre civilizados e selvagens. Um percurso que nos permite entender uma série de coisas sobre o Brasil de hoje, inclusive como o racismo entranhado numa política aparentemente correta de guerra às drogas, organiza um conjunto de instrumentos sistêmicos e define processos de escolher quem vive e quem morre. É preciso de espaço e poder para produzir raça. A raça como espaço do corpo que pode ser violentado, como no caso da criminalização de relações sociais em territórios periféricos inteiros. E da legitimidade do uso prioritário da violência monopolizada pelo Estado. Um conjunto de leis e práticas que, ao pretender segurança social, produz desigualdade e reforça mecanismos que resultam no encurtamento das vidas negras, em curso há séculos no Brasil". Mediadora: Cecília Oliveira (jornalista e colunista no Intercept Brasil e criadora da Plataforma Fogo Cruzado). Participantes: Juliana Borges ( escritora e pesquisa política criminal. Consultora do Núcleo de Enfrentamento, Combate e Memória da Violência da OAB-SP. Foi Secretária Adjunta de Políticas para as Mulheres e assessora especial da Secretaria do Governo Municipal da Prefeitura de São Paulo. Autora de "Encarceramento em massa" - Selo Sueli Carneiro/Pólen Livros), Nathália Oliveira ( bacharela em Ciências Sociais. Atuou em diversos projetos de direitos humanos em pautas relacionadas a política de drogas desde 2011, passando por organizações, como a ONG Centro de Convivência É de Lei; Instituto Terra Trabalho e Cidadania; Plataforma Brasileira de Política de Drogas; presidência do COMUDA -SP (Conselho Municipal de Política de álcool e drogas de São Paulo 2016-2019; "Drogas Reduzir Danos", dentre outros. Em 2015 fundou a Iniciativa Negra por uma Nova Política Sobre Drogas junto com Dudu Ribeiro, e divide a coordenação com o mesmo até o presente momento), Dudu Ribeiro ( licenciado em História, especialista em Gestão Estratégica de Políticas Públicas e Mestrando do Programa de Pós-Graduação em História da UFBA. Coordenador do Projeto Iniciativa Negra por Uma Nova Política sobre drogas. Foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico do Estado da Bahia (2014/2015), membro do Conselho Estadual de Juventude do Estado da Bahia (Gestão 2014-2016), ocupando a vice-presidência pela sociedade civil; membro do Conselho Estadual de Políticas sobre Drogas do Estado da Bahia (gestão 2014-2016); membro do Grupo de Trabalho sobre Drogas do Conselho Nacional de Juventude (2015/2017); membro da Rede Latino Americana e do Caribe de Pessoas que Usam Drogas (LANPUD), Silvio Almeida (Filósofo e Jurista) e Preto Zézé (Presidente Global da Central Única das Favelas - CUFA. Ex-lavador de carro nas ruas de Fortaleza, rapper, empresario, produtor cultural, repórter no Quadro Talentos da Comunidade na TV Verdes Mares/afiliada da Rede Globo no Ceará, escritor, autor dos livros A Selva da Pedra : a Fortaleza Noiada ( 2014) e Das Quadras Para o Mundo (2019), consultor em planos de de oportunidades para governos e empresas. Preto Zeze tambem é CEO e fundador do Lis - Laboratório de inovação social. Ativista de uma agenda positiva nas favelas para transformar o estigma em carisma as dificuldades em oportunidades. Especialista em planejamento e agendas comuns Mestre em sobrevivência nas Quadras, Doutor nas ruas do Brasil e Pós doutor em conexões de potências e compartilhamento de oportunidades).

Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

20h - Pocket Shows:

20h - Nara Couto (BA)

20h30 - Bia Nogueira (MG)

21h - Luciane Dom (RJ)

21h30 - Moara (DF)

22h - Tuyo (PR)

Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

25 de julho, sábado

13h - Samba de Dona Dalva (BA) - Dona Dalva Damiana de Freitas, 92 anos, mais conhecida como a "Doutora do Samba", é cantora, compositora e sambista da cidade de Cachoeira, além de integrante da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte. Uma lenda vivíssima, nossa homenageada, que vai nos presentear com uma apresentação que envolve três gerações de sua poderosa família, diretamente do Recôncavo Baiano.

Onde acessar: Canal Afrolatinas , no Youtube

14h - Lançamento do aplicativo Negras Plurais - esse aplicativo tem como objetivo de dar "match" entre as empreendedoras negras, entre a vendedora e o comprador final. Uma iniciativa de luta para emancipação do povo negro através da economia, seja também prioridade da luta antirracista. O Negras Plurais surgiu depois da percepção de diversas mulheres negras, que estão em necessidade. A maioria delas são trabalhadoras informais do Brasil e que, com a pandemia ficaram sem trabalho. Muitas delas estão produzindo serviços e produtos que ficaram estocados, sem possibilidade de vendas. Abertura com Pocket Show com Bia Ferreira (@igrejalesbiteriana), Mineira, cantora e compositora, Bia Ferreira conquistou o Brasil com a canção "Cota Não é Esmola", canto de resistência antirracista.

Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

19h - Shows

19h - Krudas (Cuba)

19h30 - Suraras do Tapajos (PA)

20h - Haynna e os Verdes (DF)

20h30 - Anna Suav (PA)

21h - Preta Ferreira (SP)

21h30 - Bixarte (PB)

22h - Brisa Flow (SP)

22h30 - Converse Apresenta: Mc Soffia & Rosa Luz

23h - Enme Paixão (MA)

23h30 - Dj Tamy (RJ)

Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

26 de julho, domingo

14h - CONVERSE apresenta: "Criar juntos novas narrativas negras na internet para o futuro". Será um bate-papo entre {Bielo Pereira](https://www.instagram.com/hellobielo/?hl=pt-br) (Bigênero, Preta, Gorda e apresentadora do programa "Coisa Boa Pra Você", no GNT), Xan Ravelli (mãe de duas crianças, casada, apresenta em seu conteúdo seu lifestyle, e o dia a dia com sua família perfeita. Ela é personificação da família negra brasileira) e Lorrayne Carolyne (uma influenciadora digital com foco em conteúdo de moda, beleza negra e lifestyle. Lorrayne é portadora da doença dos ossos de vidro, e ama Converse). Sarah Evelin será mediadora da mesa. Sarah atualmente trabalha como digital PR e criou o perfil @pretxsnamoda com conteúdos sobre tendência, cursos, marcas, faculdades, profissões e tudo o que rola sobre o mercado no brasil e no mundo. Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

20h - Apresentações Artísticas

20h - Duo Pretas (SP)

20h30 - Orquestra Funmilayo Afrobeat (SP)

21h - Banda Panteras Negras (BA) Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

27 de julho, segunda-feira

9h às 19h - "Serviço de Preta", uma maratona de ofertas de cursos, mentorias, workshops e ferramentas para fortalecer negócios de mulheres negras - um espaço de formação empreendedora, especialmente criado para trabalhadoras negras da cultura. Este ano Serviço de Preta será o nosso ambiente de preparação para o mercado. "Serviço de preto" é uma expressão racista, construída para desqualificar o trabalho de pessoas negras e reservar-lhes o lugar de subalternidade e incapacidade. "Serviço de Preta" é uma ação afirmativa de gênero e raça que desenvolve e oferta cursos, mentorias e consultorias para potencializar competências.

19h - Show de encerramento - Tá bom pra você?

Kênia Maria fala sobre a volta da nossa querida websérie "Tá bom pra você?", criada por ela e sua filha a atriz Gabriela Dias, com o objetivo de recriar peças publicitárias e propor a criação de novas imagens. A nova temporada será comandada Érico Brás e Kenia Maria. Kênia Maria é atriz, escritora, palestrante e Ialorixá, é também defensora das Mulheres negras da ONU Mulheres; vencedora do prêmio Faz diferença jornal o Globo, está na lista dos 100 negros mais influentes do mundo, segundo o Mipad, a premiação mundial para afrodescendentes chancelada pela Onu.

Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

21h - Show de encerramento: Majur - Majur, a nova voz baiana. Apontada como a nova geração da cena musical brasileira, traz uma diversidade presente no seu trabalho, em uma crescente carreira. Sua nova música de trabalho "20ver" - lançada em agosto de 2019 - reforça sua identidade plural e canta o amor de uma forma múltipla com suingue do afro-pop celebrando os encontros. Em estúdio, Majur prepara seu próximo álbum, com previsão de lançamento para 2020.Majur também foi uma das atrações do badalado Baile da Vogue de 2019 e na Virada Cultural de São Paulo, onde se apresentou ao lado do rapper Hiran. Onde acessar: Canal Afrolatinas, no Youtube

Anexos

programação atualizada - 21.7.pdf

Festival Latinidades 2020 - programação.pdf

 

Envie seu Comentário