Elairton Gehlen

A ousadia de Emmett Louis Till

"Sei que há quem prefira os economistas aos poetas, que fazer, ‘se todos fossem iguais a você’, que graça teria viver"

31/07/2020 07h34 - Por: Folha de Dourados

 
Elairton GehlenElairton Gehlen

Clique aqui e curta nossa página no Facebook

Elairton Gehlen – escritor

Meio embebecido por um Vinicius, encaro este teclado para, de alguma maneira cumprir meu papel de escrevinhador de crônicas, e fazer com que as palavras se alinhem de um jeito que agrade aos eventuais leitores esperançosos de uma história bem contada.

Não que me falte histórias para contar, longe disso, os tempos atuais abundam em inspirações, desde ministérios sem ministros até as ilusórias regras de distanciamento social existem infinitas possibilidades de se aglomerar em festas esporádicas neste país maravilhoso e continental.

Mas, não posso deixar de olhar, de vez em quando, para o poetinha que se casou doze vezes e até o último continuava cantando o amor ‘que seja infinito enquanto dure’. Posto que é chama, há de se findar como há de acabar os radicalismos de qualquer extrema que se queira nomear fazendo florescer o entendimento entre as pessoas nessa estrada em que não ando só.

Sei que há quem prefira os economistas aos poetas, que fazer, ‘se todos fossem iguais a você’, que graça teria viver. Entre o mercado e as palavras, os sentimentos de segurança balançam hora para o ouro e a prata, atrativos de ladrões e salteadores, hora para o amor e a graça atrativos de sonhadores e aventureiros. ‘Teu caminho é de paz e amor/ Abre os teus braços e canta/ A última esperança/ A esperança divina/ De amar em paz.’

Bem que poderia ser sábado e a Academia de Letras organizaria um Sarau de poesia e então levaríamos os economistas para cantar as bonanças do capitalismo! Não cabem todos dentro, mas do lado de fora haveria espaço para o canto triste dos excluídos e sua eterna esperança nas promessas do bolo que haveria de crescer e ser distribuído, inda que em migalhas.

Por hora, volto meus olhos para o velho e saudoso Vinicius em sua homenagem a Emmett Louis Till, o negrinho americano que ousou assoviar para uma mulher branca: "O how I hate to see that evenin’ sun go down..." (Ó como eu odeio ver o sol da tarde se pôr...) Claro, era uma metáfora! Emmett foi assassinado no começo da noite. Já se passaram oitenta anos e ainda choramos o entardecer de negrinhos, e pobres e índios que ousam assoviar. Até quando?

 

Envie seu Comentário