Milton Valdes Camargo - Fotos: acervo particular

Por Ilson Boca Venâncio

Meu personagem de hoje é de origem bem regional, sua profissão em todo o país é muito comum aos ambulantes, que é popularmente conhecida como “raizeiro” – nome dado as pessoas que vendem ervas medicinais.

São ervas de onde são retiradas as folhas, sementes ou raízes, que são utilizadas na medicina natural para a cura de diversas doenças.

No caso do senhor Milton há um diferencial: ele não é um só um vendedor de ervas medicinais, também é um “Mateiro”, isto é, tem o conhecimento das plantas no mato. Não só as conhece – sabe para qual tipo de doença é indicada, como também sabe colher e fazer a poda para retirar folhas, galhos sementes e raízes e sabe ainda o tempo apropriado para fazer tais procedimentos.

Por esse vasto conhecimento é que o senhor Milton se sente bem vendendo ervas medicinais e trabalhando na feira livre desde 1976.

Sua especialidade com as ervas medicinais o levou a participar de um projeto da UFGD como “Mateiro”, denominação daqueles que conhece as ervas, seus poderes de cura, como cultivá-las, forma e época da poda, e dedica muito carinho na atividade que desenvolve.

Milton Valdes Camargo conta que seu pai, Ângelo Valdes é natural de Rio Brilhante e que a família veio para Dourados em 1956 se instalando em um lote requerido no Bocajá, quando ele tinha apenas nove anos de idade.

Viveu ali a infância e adolescência e sempre ouvia falar que aquelas terras pertenciam aos índios, passasse o tempo que fosse sempre seria dos índios. Foi por isso que em 1960, resolveram deixá-la.

Casado desde 04 de dezembro de 1965 com a senhora Aurionalda Bandeira Camargo e como fruto desse casamento nasceram suas duas filhas, Jane e Janete, e do casamento delas vieram dois netos, Vinicius e Viviane, filhos da primeira, e da segunda, a neta Natalia.

Com o dinheiro da venda do lote adquiriu uma máquina de beneficiar arroz, localizada no travessão do Bocajá. Tempos depois querendo trocar de ramo mudou-se para Caarapó onde comprou uma serraria, trabalhando durante um tempo nesta profissão, e anos mais tarde retornou a Dourados.

Em mil novecentos e setenta e seis começou a trabalhar na Feira Livre comercializando cereais e no ano seguinte ingressou no quadro de servidor na Prefeitura Municipal de Dourados, era o ano de 1977. Como funcionário público, trabalhava durante a semana na prefeitura e nos finais de semana na feira livre. 

Assim fez até a sua aposentadoria no ano 2000, isso sem se desligar do trabalho como feirante, pois este trabalho acontecia aos finais de semana.

E foi aproveitando o seu conhecimento como “mateiro” conhecedor dos segredos medicinais das ervas das nossas matas, campos e cerrado, cultura adquirida através do tempo que vem de gerações, que o fez no ano de 1994 mudar para o ramo das ervas medicinais.

Vale a pena ressaltar que em tempos anteriores, a medicina natural era o que predominava entre nós. A cura através da natureza e a reza das benzedeiras era uma realidade até pelo difícil acesso que se tinha, à medicina cientifica. 

Esse conhecimento da cura com recursos naturais, rezas e benzeção já era há muito tempo utilizado pelos povos originários e passou a ser usado pelos homens brancos que aqui chegaram lá pelo século XV para curar doenças e feridas.

Hoje a fitoterapia, essa forma de cura através das plantas, é muito estudada cientificamente procurando conhecer os princípios ativos de cada planta.

A partir do seu envolvimento com o ramo das ervas, senhor Milton passou a se dedicar cada vez mais ao assunto, participando de estudos, simpósios e conferências.

Durante um tempo, a convite da Universidade Federal da Grande Dourados ele participou como “mateiro” em projeto naquela instituição de ensino, repassando para alunos e pesquisadores os seus conhecimentos práticos.

E para mim que gosto da natureza e tudo que ela nos oferece fico muito grato ao amigo Milton Valdes, por esta tão rica conversa que me permitiu escrever mais uma história da Nossa Feira Livre.

Comentários do Facebook