Nesta terça-feira (4), mulher de 56 anos foi resgatada de uma propriedade rural em Água Clara, a 193 quilômetros de Campo Grande, vivendo em situação análoga à de escravidão. Ela trabalhava no local há aproximadamente 6 meses, não recebia e foi agredida pelo patrão.

De acordo com a Polícia Civil, a senhora teria apanhado de porrete do patrão, durante um surto violento. A denúncia anônima sobre o caso chegou até a polícia, que foi ao local verificar a situação. A vítima recebeu a equipe policial na fazenda e confirmou os fatos.

Além disso, ela mostrou também fotos do braço machucado e do vidro de uma camionete quebrado. Segundo a mulher, o dono da chácara a mantinha trabalhando há aproximadamente 6 meses, sem qualquer tipo de pagamento. Ela ainda contou que o homem era muito agressivo.

O suspeito passava o dia xingando a vítima e, em um acesso de raiva, usou um porrete para quebrar o vidro de uma camionete e também atingiu a vítima no antebraço com a arma branca. Tanto a mulher quanto a cadela de estimação dela, uma border collie, foram resgatadas do local.

Para a polícia, a mulher chegou a dizer que quando foi agredida pelo patrão “viu o demônio em sua frente”, dizendo que tinha muito medo de sair dali e ser perseguida por ele. O suspeito será investigado pelo crime de redução à condição análoga à de escravo (149 do Código Penal), com pena de 2 a 8 anos, e ainda lesão corporal grave (129, §1º do CP), com pena de 1 a 5 anos. (MidiaMax)

Comentários do Facebook