Alan Guedes e Vanda Camilo

A recente visita do prefeito de Dourados Alan Guedes (PP) a Sidrolândia para apoiar a candidata de seu partido na eleição extemporânea para a Prefeitura, que ocorre domingo (13), pode ter sido um tiro pela culatra. Vanda Camilo ainda lidera as pesquisas, mas seu adversário Enelvo Felini (PSDB) estaria crescendo na reta final da campanha.

Um eventual revés de Vanda Camilo será, em boa parte, creditado a Alan Guedes, cujo início de mandato em Dourados não é exemplo de gestão, ao contrário, com ele a saúde pública piorou e até deve ser responsabilizado pela morte de um trabalhador na UPA, no domingo (06), sem atendimento médico.

Segundo analistas políticos de Sidrolândia e de Campo Grande, a vitória de Vanda Camila estaria ameaçada porque circulam na cidade informações de que ela implantará lockdown na cidade com o recrudescimento da pandemia da covid-19, inspirada em Alan Guedes.

Sidrolândia e Dourados tem base econômica parecida, baseada no agronegócio e no setor de serviços.  Alan Guedes, eleito com pouco mais de 20% dos votos dos douradenses, já estava com a popularidade em baixa com o desastrado início de gestão, inclusive com ameaça de CPI e investigação do MPE sobre a suposta farra da publicidade que teria acontecido quando presidiu a Câmara de Vereadores.

Com a decretação do lockdown, sem necessário e prudente debate com todos os setores da sociedade, o pouco de popularidade que Alan Guedes tinha foi dissipado, porque perdeu apoio do comércio e, principalmente de agropecuaristas e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, que é contra o trancamento da economia.

A impopularidade também tem raiz na incapacidade da administração Alan Guedes de tampar os buracos nas ruas da cidade. Se não fosse a providencial intervenção do Governo do Estado, que desde o ano passado vem recuperando as principais avenidas e está recapeando o quadrilátero central, a situação na mobilidade urbana seria caótica, como é o setor da saúde pública.

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE/MS) determinou nova eleição em Sidrolândia porque o vencedor no pleito 2020, Daltro Fiuza (MDB) foi acusado de improbidade administrava e teve recursos rejeitados pela Justiça. Sua prestação de contas referente quando administrou o município de 2009 a 2012 foi rejeitada pela Câmara Municipal e o Tribunal de Contas do Estado também apontou problemas.

Comentários do Facebook