Iniciativa é gratuita e aberta à participação virtual de toda comunidade

No dia 20 de novembro é celebrado no Brasil o Dia da Consciência Negra. A data, inserida no calendário nacional em 2003, visa incentivar a reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira, debatendo temas como visibilidade e preconceito.

Com o objetivo de fortalecer a relevância do tema, o Festival Mais Cultura, iniciativa da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), em parceria com a Fapec (Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura, realiza nesta sexta-feira (20) atividades relacionadas à Consciência Negra.

Diante da importância dos temas abordados, as atividades desta sexta-feira contam com a participação do pró-reitor de Extensão, Cultura e Esporte, Marcelo Fernandes e do secretário municipal de Cultura e Turismo, Max Fernandes.

 “Este é um dos momentos mais significativo do festival, pois, destaca e homenageia a cultura negra em nossa sociedade”, pondera Marcelo Fernandes.

A programação inclui debates, música, mostra fotográfica e homenagem. Devido à pandemia de Covid-19, todas as atividades gratuitas serão apresentadas virtualmente, e os participantes terão direito a certificado.

Programação

10 horas – Apresentação de Marta Cel,Mezzo Soprano. A cantora é acadêmica de Música na UFMS e sua paixão pela música surgiu na infância. Já se apresentou em espaços como SESC, Festival América do Sul e Festival de Inverno de Bonito.

Seu repertório mistura black music com a MPB e suas influências musicais trazem samba-rock, samba raiz e soul. A transmissão será pelo YouTube da TV UFMS.

Já às 14h ocorre a Homenagem a Conceição Evaristo – mineira e mestre em literatura Brasileira, autora de diversos livros que abordam a temática racial. A mediação será feita pela professora Geovana Quinalha

Às 18h30, é realizada a palestra sobre o projeto Negritude em Debate, parceria da UFMS com o Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul. O projeto tem o objetivo de visibilizar a beleza, a cultura e a ancestralidade negra existentes no estado, que historicamente são apagadas, por meio de discussões étnico-raciais capazes de qualificar e encorajar professores a trabalhar com a problemática da população negra em sala de aula, na tentativa de diminuir a desigualdade existente no país.

Junto a esta ação, ocorre a mostra fotográfica Beleza Negra Resiste.  


Não é necessária inscrição prévia para adquirir o certificado, que pode ser solicitado virtualmente durante a participação nas atividades.
Acesso à programação no site: ufms.br.

Comentários do Facebook