Patrícia Brandão e Lia Nogueira - Foto: arquivo

José Henrique Marques –

Na tarde desta quinta-feira (04), a defesa da vereadora Lia Nogueira (PSDB) protocolou petição [n. 0002406-40.2021.8.12.0101] na 1ª Vara do Juizado Especial Cível e Criminal, de Dourados, solicitando o arquivamento da ação judicial onde é acusada de supostamente ameaçar a ex-assessora Patrícia Brandão.

A vereadora também solicita que o Ministério Público Estadual (MPE) investigue o conteúdo de vídeo e outras provas juntadas no inquérito policial que revelaria uma armação política para cassar Lia Nogueira, tendo como pano de fundo a suposta farra da publicidade que teria acontecido na Câmara Municipal sob a presidência do atual prefeito Alan Guedes (PP), em 2019 e 2020.

Na manhã de hoje, as últimas testemunhas foram ouvidas em oitivas na Polícia Civil no inquérito aberto a pedido do MPE e autorizado pela Justiça.

No início do ano passado, durante investigação de Lia Nogueira sobre os gastos com publicidade da Câmara, Patrícia Brandão, que havia sido demitida, foi à polícia e acusou a vereadora. Segundo ela, durante uma festa de confraternização do mandato, Lia a teria ameaçado de morte.  

A vereadora e outras pessoas que participaram da festa sempre negaram a ameaça e que tudo não passou de brincadeira.

A denúncia de Patrícia Brandão gerou uma Comissão Processante contra Lia Nogueira com o objetivo de cassar seu mandato. Ela foi inocentada. Já o MPE de Dourados e relatoria do caso na Procuradoria-Geral de Justiça do Estado recomendaram o arquivamento da suposta farra da publicidade.  

Contudo, para a Rasslan Advocacia as provas apresentadas demonstram que jamais existiu qualquer crime e que houve perseguição política contra Lia Nogueira, razões pelas quais solicita ao MPE análise e investigação de todas as provas.