Paciente com Covid é tratado em UTI em hospital de São Paulo Reuters/Amanda Perobelli

Não há teste para Covid longa. Não há nenhum medicamento específico para tomar ou exercícios para aliviar seus sintomas. Não há um consenso sobre a duração dos sintomas da doença, e alguns médicos até duvidam que seja real.

No entanto, com um grande número de pessoas tendo Covid-19 e estimativas variando de 7,7 milhões a 23 milhões de pacientes com Covid apenas nos Estados Unidos, os pesquisadores dizem que há potencial para ser “o próximo desastre de saúde pública em formação”.

O governo do presidente Joe Biden divulgou dois relatórios nesta semana para iniciar um esforço de toda a gestão para prevenir, detectar e tratar a Covid-19. Dois novos estudos também tentam juntar algumas das pequenas peças do quebra-cabeça que é a Covid-19.

A longa agenda de Biden sobre Covid

O presidente Joe Biden disse em abril que a Covid longa era uma prioridade para seu governo e encomendou dois relatórios: um que estabelece uma agenda de pesquisa para o país e outro que esboça os serviços e apoios financiados pelo governo federal disponíveis para pessoas nos EUA com Covid longa. Um total de 14 departamentos e agências governamentais trabalharam juntos para criar esses novos planos longos para a doença.

“É urgentemente necessária uma abordagem nacional, coordenada por todo o governo dos EUA e orientada para a ação”, diz o relatório.

O plano propõe um novo escritório para Covid longa dentro do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, mas não oferece detalhes sobre como financiar ou contratar o escritório.

O plano também pede mais investimentos federais e pede que o setor privado faça mais. Baseia-se na pesquisa governamental existente com o objetivo de acelerá-la e expandi-la.

“Esses relatórios iniciais são um passo importante, pois o HHS [Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos] continua a acelerar a pesquisa e o apoio programático para lidar com as consequências da pandemia e trabalhar em todos os setores para garantir que ninguém seja deixado para trás enquanto continuamos a construir um futuro mais saudável”, diz o HHS.

Riscos de problemas graves para as crianças

Na semana passada, mais de 14 milhões de crianças nos Estados Unidos testaram positivo para Covid-19, de acordo com a Academia Americana de Pediatria. Mas não está claro quantas tiveram Covid longa.

Um estudo publicado em julho estimou que menos crianças apresentam a condição do que adultos: 5% a 10% das crianças que tiveram Covid. Outros pesquisadores dizem acreditar que o número é muito maior: cerca de 26% das crianças que tiveram a infecção.

As crianças normalmente têm alguns dos mesmos sintomas de Covid longa que os adultos – incluindo problemas respiratórios, alterações no paladar e olfato, confusão mental, ansiedade, depressão, fadiga e distúrbios do sono – mas também podem ter problemas sérios que envolvem seus órgãos.

Um novo relatório dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos EUA, diz que crianças com Covid longa têm uma chance muito maior de problemas graves de pulmão, coração, rins e pâncreas do que crianças que não contraíram o vírus.

Para o estudo, os pesquisadores do CDC definem a Covid longa como envolvendo sintomas quatro ou mais semanas após o diagnóstico.

Eles usaram um grande banco de dados de informações médicas para procurar 15 condições longas de Covid entre 781.419 crianças e adolescentes que tiveram um caso confirmado de Covid-19.

O estudo, publicado na quinta-feira (4), apontou que crianças com Covid longa apresentaram taxas mais altas de embolia pulmonar aguda ou bloqueio no pulmão que pode causar falta de ar repentina, ansiedade, dor no peito, palpitações e tontura.

Elas também tinham uma taxa mais alta de doenças cardíacas potencialmente graves, como miocardite, inflamação do músculo cardíaco que pode causar batimentos cardíacos rápidos ou irregulares, dor no peito, falta de ar, fadiga e dores no corpo.

Elas apresentavam uma taxa mais alta de cardiomiopatia, uma condição que dificulta o fornecimento de sangue do músculo cardíaco ao corpo e, em casos extremos, pode levar à insuficiência cardíaca. Crianças com Covid longa também tiveram uma chance maior de insuficiência renal e eram mais propensas a desenvolver diabetes tipo 1.

Todas essas condições são raras ou incomuns nessa faixa etária, diz o CDC.

No início da pandemia, as pessoas acreditavam que a Covid-19 não era tão grave para as crianças. Ao contrário de outros vírus respiratórios, as crianças geralmente apresentam sintomas menos graves do que os adultos, mostram alguns estudos, mas nem sempre é esse o caso.

A pesquisadora Amy Edwards, diretora médica associada de controle de infecções pediátricas no UH Rainbow Babies and Children’s Hospital em Cleveland, disse que viu crianças com sintomas mais graves, como miocardite e cardiomiopatia, bem como alguns problemas de coagulação do sangue.

“É bom ver a prova aqui de que as crianças experimentam sintomas longos de Covid”, disse Edwards, que não esteve envolvida no estudo.

Edwards afirma que gostaria que os pesquisadores distinguissem entre Covid longa e Síndrome inflamatória multissistêmica (MIS-C, em inglês), uma condição rara, mas grave, que também pode surgir em um caso de Covid-19 e causa sintomas semelhantes na mesma janela de tempo. Mas qualquer estudo que aumente a conscientização sobre a Covid longa pode ajudar, disse ela.

Vários pacientes a procuraram depois que outros médicos descartaram a gravidade de seus sintomas, disse ela. E ela se preocupa com as crianças cujos cuidadores não sabem como obter a ajuda extra de um médico ou clínica de Covid que eles podem precisar para melhorar.

“Essas são as crianças que me mantêm acordada à noite. Eu me preocupo com essas crianças”, disse Amy.

Os pesquisadores do CDC dizem esperar que seu estudo incentive os cuidadores a vacinar as crianças e a observar esses sintomas e condições graves entre as crianças que contraem a Covid-19.

“As estratégias de prevenção da Covid-19, incluindo a vacinação para todas as crianças e adolescentes aptas, são essenciais para prevenir a infecção por SARS-CoV-2 e doenças subsequentes, incluindo sintomas e condições pós-Covid”, disse o estudo.

12,7% das infecções podem levar a Covid longa

Outro novo e amplo estudo sobre Covid longa revelou que 1 em cada 8 adultos com a doença pode apresentar sintomas meses após a infecção inicial. Os resultados da pesquisa foram adiantados pela CNN nesta quinta-feira.

O estudo, publicado na revista The Lancet, apontou que 12,7% das pessoas com Covid-19 apresentaram sintomas novos ou severamente aumentados pelo menos três meses após o diagnóstico inicial, uma porcentagem menor do que algumas outras pesquisas sugeriram.

Os pesquisadores entrevistaram 4.231 pessoas que tiveram Covid-19 e 8.462 que não tiveram. Eles acompanharam os participantes por questionários preenchidos 24 vezes entre março de 2020 e agosto de 2021 e compararam os dois grupos.

Os pesquisadores perguntaram sobre 23 sintomas, e fadiga e falta de ar foram os mais comuns. Muitas pessoas também relataram dor no peito.

As limitações do estudo incluem que ele foi feito na Holanda e não inclui uma população etnicamente diversa. A maioria dos dados foi coletada antes que as vacinas estivessem disponíveis, e alguns estudos sugerem que a vacinação pode ajudar a proteger contra a Covid-19.

A pesquisa também foi realizada antes do domínio da variante do coronavírus Ômicron, portanto, não está claro se os resultados seriam os mesmos em pessoas infectadas com cepas posteriores.

Os pesquisadores dizem que os cientistas devem fazer mais para determinar quanto tempo dura a Covid e quantas pessoas contraem a doença, além de como tratá-la ou até preveni-la.

“A pesquisa foi prejudicada pela ausência de consenso sobre a prevalência e a natureza da condição pós-Covid-19”, diz o estudo.

“Há uma necessidade urgente de dados empíricos informando sobre a escala e o escopo do problema para apoiar o desenvolvimento de uma resposta adequada de saúde”.

(CNN)