Lino Allegri, sacerdote da Paróquia da Paz, em Fortaleza (CE), que passou a ser atacado por seguidores do presidente, deu entrevista à agência italiana ANSA e falou sobre as intimidações que vem sofrendo

Por Henrique Rodrigues, na Revista Forum –

“Vítima de ataques, intimidações, ameaças e da fúria de bolsonaristas desde uma missa no último dia 4 de julho, quando falou que o presidente era responsável pelos mais de 540 mil mortos pela pandemia da Covid-19 no Brasil, o padre Lino Allegri, responsável pela Paróquia da Paz, em Fortaleza (CE), deu entrevista à agência italiana de notícias ANSA.

O sacerdote, que tem 82 anos, nasceu na Itália e vive no Brasil desde 1970, cinco anos depois de ter sido ordenado padre num seminário de Trento. Por aqui, Allegri já foi pároco em Bom Jesus da Lapa (BA) e há anos está na capital cearense, onde desenvolveu uma rede de pastorais sociais em comunidades de base para estar, segundo ele, “em meio ao povo”.

Allegri conta que após o episódio, adeptos do bolsonarismo têm ido à igreja, usando camisas nas cores verde e amarela, para provocá-lo, assim como aos frequentadores do templo. No entanto, na missa dominical na qual falou as palavras contra Bolsonaro as ações do grupo foram mais agressivas.Um grupo composto por sete mulheres e um homem teria entrado na sacristia aos berros, dizendo que Allegri era um comunista, esquerdopata, petista e lulista, aconselhando o padre a “voltar à Itália”, insistindo que o presidente brasileiro é um “bom cristão”.

Desde então, o sacerdote não voltou mais a celebrar missas na Paróquia da Paz, mas tomou conhecimento do caso do bolsonarista que, na missa do domingo seguinte, levantou-se do banco para gritar impropérios após uma nota da CNBB sobre o episódio ser lida pelo religioso que o substituiu. O público presente na igreja acabou por enxotar o fanático seguidor do líder extremista.

Para Allegri, a forma como Bolsonaro se porta e as coisas que faz e diz não tem nenhuma relação com a doutrina ensinada por Jesus.“Ele vai totalmente contra aquilo que é o ensinamento de Cristo. Não é parcialmente, não, é totalmente. Ele é católico quando interessa, evangélico quando interessa, não está respeitando as religiões”, disparou o padre à reportagem da ANSA.”

Comentários do Facebook