Elairton Gehlen – escritor –

Eu achava que ser escritor seria uma atividade importante para a sociedade. Ledo engano! Tá aí, para que serve essa expressão: ledo engano? Escritores ficam se preocupando com o significado de expressões bobas como essa que todo mundo usa sem a menor necessidade de saber seu real significado, apenas dizem: ledo engano, e pronto.  

Economistas são diferentes, quando dizem que o governo furou o teto dos gastos públicos, não significa que o “teto” foi furado, isso é uma expressão mais complicada que só os economistas entendem, e o povo, que fala: ledo engano, sem nenhuma preocupação, agora fica esperando por uma explicação “economicista”, afinal isso deve ser importante, já que foi dito por economistas. Ledo engano, nem tanto! 

Escritores fundam Academias e cuidam das regras ortográficas, escrevem poesias e crônicas, tomam cervejas e namoram e até se ocupam em traduzir para as letras os sentimentos das pessoas. Tudo bobageira de boa-fé que não costuma render dinheiro algum. Já os economistas, muito mais úteis para a sociedade, eles pensam em como aumentar o lucro das empresas e em como os governos devem garantir esses lucros para que o Produto Interno Bruto seja cada vez mais significativo. 

Por algum tempo da minha vida eu estudei economia, autodidata, por força das circunstâncias, fiz análise de conjuntura e explicava em centenas de palestras a tal da Globalização, esse Neoliberalismo e trocentas outras coisas relacionadas com a economia, que era para entender o sistema e, claro, lutar contra ele. Fui vencido pelo sistema, os economistas são pessoas respeitáveis e quando eles defendem o sistema, eles sabem muito bem o que estão fazendo, o sistema é muito convincente, tem milhões de Reais, Dólares, Ienes, Rublos, Renminbi, bitcoint, Pesos, Euros e outros monstros mais que fazem o Monstro do Lago Ness ser um nada! 

Deixei minha coleção de ‘Os Economistas” de lado e voltei meus olhos para a História da Filosofia. Eu achava que minha vida torta não tinha mais como endireitar, achei a esperança nas Confissões, de Santo Agostinho. A referência dos filósofos, Sócrates, não escreveu uma linha sequer da sua filosofia e influenciou toda a humanidade por quase três mil anos. Platão, que escreveu Sócrates e fundou a mais importante escola do pensamento, em A República, defende o comunismo de um jeito que causa arrepio até no mais progressista dos pensadores modernos.  

Outro pensador, por quem dobram os sinos em milhões de igrejas pelo mundo afora, só se tem uma única referência de um texto qualquer que teria escrito na areia enquanto salvava a vida de uma prostituta. Seus seguidores logo fundaram uma comunidade onde tudo era de todos, tipo um comunismo. Agora, dois mil anos depois, parece não haver dinheiro que chegue nas igrejas, todas influenciadas por economistas! 

É, eles venceram mesmo!!! 

Comentários do Facebook