Victor Teixeira

Victor Teixeira

ARA San Juan: as respostas a serem trazidas a tona agora

26/12/2018 11h13

ARA San Juan: as respostas a serem trazidas a tona agora

Por: Folha de Dourados
 
 
 Victor Teixeira Victor Teixeira

Por Victor Teixeira - colaborador

Finalmente os familiares dos 44 tripulantes do submarino militar e todo o público argentino que deles se compadecera estão inteirados de sua localização final após pouco mais de um ano da perda de contato com o equipamento pelos supervisores de seu planejado trajeto seguida de prejuízos irreparáveis àquelas vidas. Da demanda de parentes pelo resgate à superfície aquática das sobras do veículo e dos restantes vestígios das vítimas para consecutiva análise em terra firme o governp é permitido escapar pela falta de recursos tecnológicos para missões desse porte. Pelas imagens captadas pelo barco privado autor da descoberta a trupe do presidente Mauricio Macri, entretanto, é chamada a decodificar as circunstâncias das quais a catástrofe foi produto para identificar os pontos em que falharam junto com o governo anterior na resposta às necessidades do aparato responsável pela segurança nacional, além dos outros serviços públicos.

O que nem amostras da frota naval e aerea de países como Brasil, Estados Unidos, Rússia e Reino Unido apontavam o barco Seabed Constructor, da empresa americana Ocean Infinity revelou em 17 do mês passado, embora à beira da desistência. Podendo ter contribuído para extender a inquietude dos parentes, dos quais alguns ocupavam o navio como observadores junto a representantes da Marinha, o humor climático oceânico se ajustara em um momento a que foi dada uma peculiaridade única pela inspiração das mentes tripulantes para enviar às profundezas marinhas um veículo de operação remota (ou ROV, segundo as iniciais de seu nome em inglês) que a 907 metros de profundidade fotogtafou os restos de ARA San Juan após terem induzido pancadas no casco.

Opiniões de especialistas e a captação, pouco tempo após o submarino ficar incomunicável com os supervisores de seu trajeto, de ruído anormal por dispositivos instalados no meio subaquático por uma organização austríaca que monitora a ocorrência de testes nucleares bélicos conferem dominância à crença na explosão das baterias como causa da ruptura da comunicação e do cavalar afundamento. Íntegro, apenas um pouco amassado pela alta pressão subaquática que despedaçara o resto do aparato, o casco que cobria o espaço acomodador das centenas de baterias não se desintegrou sob dito fenômeno. Nas soldas feitas no invólucro após reparos entre 2008 e 2014 de que resultaram trocas de motores e baterias parecem latentes defeitos oportunos para o contato dos segundos componentes com água salgada que teria lhes provocado arcos voltaicos, curto-circuito e o estouro.

O achado deixou lugar a no enredo ser ocupado pela aptidão de representantes do poder central argentino para receber os registros iconográficos na Cidade do Cabo, Africa do Sul, evento anunciado em uma matéria do Clarin que até ia a fundo na rotina e passado socioeconômicos do local a que essa parte contemporânea da história hermana se acrescentaria. Tecnologicamente incapazes de um prévio alcance dos resultados frutos da iniciativa privada, as instituições competemtes de tal território contíguo ao nosso são alinhadas por esse apoio externo à opinião pública no rumo do impacto da recepção pela mesma da maratona com vista a identificar procedimentos de ocupantes ou condições de peças associáveis com o princípio do drama.

Do fiasco no gerenciamento do acesso aos dados iniciais do caso pelos familiares das vítimas e a imprensa as lideranças argentinas recebem a final chance de redenção sobre cujo proveito já surgiu em outro setor de manejo da trama algo para pôr dúvidas. Ainda que possa haver um elo causal entre a obtenção do direito a aposentadoria por Fernando Trezza, então diretor médico do Necrotério Judicial, e sua renúncia, a denúncia da deputada Elisa Carrió contra ele por supostamente fraco zelo para com os recursos humanos e materiais do órgão que faz parte da abordagem pela legisladora de presumidas irregularidades na Justiça abrilhanta as responsabilidades conferidas sem repeteco à administração Macri para trazer as incógnitas à vista pública.

Dirigidas a algo em processo de penalização, as críticas à indecência de muitas aplicações do dinheiro da massa contribuinte pelo kirchnerismo não podem ser automaticamente o foco, como procediam via Twitter proeminentes simpatizantes do atual regime naqueles primeiros dias de indagação do fadário dos marinheiros. Carece de flagrantes de insucessos técnicos o histórico de usos do ARA San Juan seguintes à conclusão de seu reparo ainda durante o período de comando neoperonista. Mesmo a Corte Suprema de Justiça da Nação, com seu corpo de juízes formado predominantemente por entusiastas do antigo sistema de poder, assegurou ao governo, validando a lei por este proposta ha dois anos que estabelece também para magistradis a obrigatoriedade do pagamento de um imposto patrimonial, uma maior remessa aos cofres oficiais de importâncias talvez edificantes para o inquérito a depender do tanto a ser investido na adequação dos órgãos de investigação forense e de resguardo da confiabilidade das Forças Armadas para reagir a tal enigma e a outras situações que surjam se forem inevitáveis.

Saber e se dispor a identificar e recompensar legalmente os representantes seus e do kirchnerismo implicados nessa tragédia é o único álibi disponível a Macri e seus subordinados nesse impasse contra a reconquista da simpatia cidadã pelos antecessores. O perigo disso para o empenho dos argentinos contra agressões a seus direitos por elementos poderosos tem por abrigo, além do que for descoberto de errado sobre a manutenção do submarino na fase de liderança passada, a partilha de suposto envolvimento na corrupta gerência de concessões de estradas entre familiares do hodierno chefe de Estado e elementos ligados aos precedentes ocupantes da Casa Rosada e o apelo dos líderes destes até a mercenários baderneiros para gerar no trabalho dos sucessores ainda mais inoperâncias influentes nas preferéncias dos eleitores.

Uma espera a menos, muito mais do que a tempo! Aos parentes dos marinheiros desaparecidos, ao resto da população argentina preocupada com a retidâo no emprego das parcelas patrimoniais cobradas por ele e ao mesmo foi revelada a derradeira localização do veículo e vestígios seus que o último não esteve habil para coletar, mesmo sob apoio internacional, em prol da exigência social de uma solução. Com mais esse dilema talvez um pouco reservado ao contingente envolvido na gestão pretérita a equipe de Macri deve se ocupar corretamente defronte sua acirrada batalha com a oposição pela consciência social no tocante ao reconhecimento dos culpados pelo dito escândalo e adicionais contendas.

 

Envie seu Comentário