Um casal chinês que ficou preso em um apartamento durante seu primeiro encontro por causa da imposição de uma quarentena na cidade histórica de Xian decidiu noivar depois de ficar durante várias semanas de isolamento. É a segunda vez em um mês que a mídia local relata a história de um casal que estava apenas se conhecendo e foi obrigado a ficar junto devido aos desdobramentos de um surto de Covid-19 no país.Nesse caso, a história teve um final feliz, embora Zhao Xiaoqing, uma mulher de 28 anos da província de Shaanxi, no Norte da China, tenha ido ao encontro em Xian, no dia 23 de dezembro, sem grandes expectativas.

— Nunca pensei em passar a noite— disse Zhao ao portal Jimu News na segunda-feira.

Naquele dia, porém, as autoridades municipais emitiram uma ordem rígida de confinamento, impedindo Zhao de voltar para casa. Embora ela não estivesse “muito interessada” quando viu pela primeira vez a fotografia do rapaz, chamado Zhao Fei, disse que ele era mais bonito ao vivo.

Segundo ela, o amor entre eles surgiu e levou ao noivado.

— Nossas almas são compatíveis, nos damos muito bem e nossos pais estão felizes — celebrou Zhao.

Hoje, as autoridades retomaram alguns serviços de transporte público em Xian, levantando parcialmente a quarentena na metrópole de 13 milhões de habitantes. O transporte público foi reativado nas chamadas áreas de “baixo risco”, disseram as autoridades. A televisão pública CCTV transmitiu imagens de trens saindo de Xian e alguns passageiros entrando na estação.

A flexibilização ocorreu depois que a antiga capital da China imperial, conhecida por seus Guerreiros de Terracota, não registrou novos casos de coronavírus.

A quarentena na cidade foi a mais rigorosa e prolongada na China desde o início de 2020, em Wuhan, onde o coronavírus foi detectado pela primeira vez. Desde então, a China tem conseguido conter a pandemia com a estratégia conhecida como “Covid Zero”, que visa impedir a propagação local do coronavírus e envolve o fechamento de fronteiras e medidas rápidas e severas quando casos são detectados.

Essa política tem sido ainda mais rígida por causa da proximidade da Olimpíada de Inverno de Pequim, que vai do dia 4 a 22 de fevereiro. Mesmo com o alto controle, o país não foi capaz de evitar numerosos surtos em seu território, os últimos provocados pela variante Ômicron.

Na terça-feira, a China registrou 87 novos casos, menor número desde 25 de dezembro, quando o país contabilizou 46 infecções. Ao todo, 2,88 bilhões de doses foram aplicadas na população chinesa até o momento. (Extra)

Comentários do Facebook