Foto: ilustração

Tá dito: “Lutam melhor aqueles que têm sonhos belos. Somente aqueles que contemplam a beleza são capazes de endurecer sem nunca perder a ternura. Guerreiros ternos. Guerreiros que leem poesias. Guerreiros que brincam como criança” (Rubens Alves)

José Henrique Marques

Cambiocó – Se não houve “arranjos” no Código de Posturas do Município, alguém na Prefeitura de Dourados está prevaricando ao permitir que empresas instalem painéis e totens de propaganda nos canteiros centrais das avenidas. Além da poluição visual, muitas das estruturas atrapalham a visibilidade dos condutores de veículos. Também postes e semáforos estão tomados por todo tipo de publicidade, desde venda de marmitas a “serviços” de videntes. Isso não pode. Quem sabe o Ministério Público possa investigar.

Zero 01 – Caso não cometam ato falho na hora de votar, os prefeitos de Alcinópolis e Japorã, respectivamente, Dalmy Crisostomo da Silva (DEM) e Paulo Cesar Franjotti (PSDB) já podem comemorar a reeleição. São candidatos únicos e precisam apenas de 01 voto para conquistar novo mandato.

Moçada – A chapa do PP/PL que disputa a Prefeitura de Dourados é jovial por natureza. Tanto Alan como Guto têm 30 e poucos anos. Esse jeito descolado está, nas entrelinhas, impregnando a campanha deles e agradando bastante os eleitores mais jovens e aqueles defensores da renovação na política.

Olho Vivo – O advogado Fernando Baraúna, um dos mais requisitados no MS nos períodos eleitorais lembra que: “Art. 10. A distribuição de material publicitário de campanha por candidato, cabos eleitorais e simpatizantes durante caminhada ou passeata, adentrando estabelecimentos comerciais, não configura propaganda irregular, de que trata o art. 37 da Lei no 9.50411 997”.

À esquerda – O candidato do DEM a prefeito de Dourados, Barbosinha, surpreendeu “gregos e troianos” ao anunciar em entrevista ao jornalista Osvaldinho Duarte que, se eleito, adotará o Orçamento Participativo – uma das bandeiras do PT. A rigor, o OP não é patente de ninguém e trata-se de uma técnica de domínio público, livre à utilização inteligente.

Paz e amor – Até agora o nível da campanha em Dourados é bom, apenas com um ou outro ataque rasteiro. E é por aí. Percebe-se que o eleitorado está preocupado com o desenvolvimento, soluções, enfim com os problemas da cidade. A grande maioria das pessoas está na torcida por uma campanha propositiva, sem baixarias e as famigeradas notícias falsas, as fake news.

Cobranças – Candidatos estão cobrando da imprensa a realização de debates em Dourados. Ocorre que vivemos reféns de uma pandemia e seus protocolos de saúde, que limita e encarece eventos afins. Mas é possível, sim, através de um pool de veículos de comunicação, a exemplo do que está sendo articulado em Campo Grande, onde a Folha de Dourados é uma das parceiras.

Cobranças 2 – A realização de debates nesses tempos tecnológicos da internet independe das emissoras de televisão como antigamente. Pelo que parece a TV Morena e a TV RIT não farão. O debate pode ser transmitido, ao vivo, pelas redes sociais.  

Comentários do Facebook