06/09/2018 14h24

Empregos, competitividade e pesquisa

 

Foram semanas ricas em notícias importantes. E não estou falando de eleições ou candidatos. Se bem que os candidatos deveriam se preocupar com isso. (1) O agronegócio foi o campeão em fechamento de vagas. (2) O produto industrializado nacional chega ao mercado 30 % mais caro que os concorrentes. (3) A CAPES vai cortar milhares de bolsas de Pós-Graduação em função do corte de verba.

Assuntos aparentemente independentes e desconexos. Será? Acho que não. Há um denominador comum na raiz de tudo isso: PESQUISA.

Os chamados, até há pouco tempo, de Tigres Asiáticos tiveram seu desenvolvimento industrial fortemente apoiado em pesquisa, com geração de patentes e processos industriais, que resultaram em produtividade. Para isso, mandaram contingentes de recém-saídos das universidades buscar formação mais completa no exterior. Na volta, havia estrutura para que pudessem trabalhar. No Brasil, desde a criação da EMBRAPA, houve interesse na complementação da formação de pessoal na área do agronegócio. E, senhores, qual o setor no qual o Brasil é realmente competitivo? Qual o setor que vem bancando as contas nacionais? O agronegócio. Mera coincidência? Claro que não!

E agora outra notícia: a CAPES, a principal financiadora da Pós-Graduação no Brasil, sofre cortes a ponto de interromper o programa de formação dos pesquisadores que poderiam realizar as pesquisas, gerar patentes, criar e aperfeiçoar processos. Não me parece muito inteligente da parte do governo.

Bom, e o problema de fechamento de vagas no agronegócio? Primeiramente, o negócio é que não é bom negócio ter muitos empregados no meio rural. Uma legislação trabalhista completamente fora da realidade.

Depois, onde tem se investido em formação de pesquisadores? Onde, apesar dos pesares, a pesquisa brasileira tem sido reconhecida mundialmente? Na produção agrícola e pecuária. Há, é certo, outras áreas, como a medicina e umas poucas outras.

O desenvolvimento tecnológico, com o barateamento das tecnologias, mais a dificuldade imposta pela legislação, resulta em demissões na área mais competitiva de nossa economia. Também, no campo, se exige hoje pessoal cada vez mais qualificado. O agronegócio deixou de ser um depósito de mão de obra não qualificada. A solução? Educação e qualificação, para que este contingente consiga colocação, desta vez com salários mais altos.

Entretanto, nem tudo são flores, mesmo nesta área tecnologicamente avançada da sociedade brasileira. Começando pela área federal, a EMBRAPA ficou meio fora de rumo, e sofre necessária reestruturação. As universidades formadoras dos quadros de pesquisadores padecem de falta crônica de recursos para o desenvolvimento de pesquisa de alto nível, para o que dependem de convênios com instituições do exterior.

O CNPq, um dos principais financiadores de pesquisa, tem lançado menos editais de pesquisa, e os lançados não têm seus valores corrigidos há tempos. Em São Paulo, a FAPESP, importantíssima e fundamental, sobrevive como é possível. Os Institutos de Pesquisa como o Agronômico de Campinas, o de Zootecnia, o Biológico, o de Economia Agrícola, entre outros, são deixados a morrer de inanição. Falta de responsabilidade dos governos.

Enfim, o agronegócio que vive e faz o Brasil viver, é competitivo e gera trabalho para pessoal tecnificado com base na pesquisa do passado. Estamos vivendo, mal comparando, como um caminhão na banguela, na descida, usando a energia acumulada. Está tudo bem. Mas, ali na frente tem subida, como vamos lidar com isso?

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel.

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso