20/07/2018 13h19

Exportação de industrializados de MS cresce 26% no 1º semestre

 

A receita com as exportações de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul apresenta crescimento de 26% no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Enquanto de janeiro a junho de 2017, o montante somou US$ 1,39 bilhão, nos primeiros seis meses de 2018 esse valor totalizou US$ 1,75 bilhão.

Na avaliação apenas do mês de junho deste ano comparado com junho do ano passado, o aumento foi de 32%, saltando de US$ 246,76 milhões para US$ 325,16 milhões. De acordo com a avaliação do coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, esse foi o melhor resultado para o mês de junho dos últimos quatro anos em Mato Grosso do Sul.

Em relação ao volume, no ano, as exportações de industrializados sul-mato-grossenses registram alta de 17%, enquanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 48% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, sendo que no acumulado do ano essa participação ficou em 58%.

"De janeiro a junho, os principais destaques ficaram por conta dos grupos Celulose e Papel, Complexo Frigorífico, Extrativo Mineral, Óleos Vegetais, Açúcar e Etanol e Couros e Peles, que, somados, representaram 98,2% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior", informou o economista.

Principais grupos

No caso do grupo "Celulose e Papel", a receita no período avaliado foi de US$ 968,22 milhões, crescimento de 93% no semestre comparado com a somatória de janeiro a junho de 2017, dos quais 98% foram obtidos apenas com a venda da celulose (US$ 944,3 milhões), tendo como principais compradores China, com US$ 529,7 milhões, Itália, com US$ 103,4 milhões, Holanda, com US$ 74,6 milhões, Estados Unidos, com US$ 64,1 milhões, e Coreia do Sul, com US$ 26,9 milhões.

"Em uma análise sobre o setor de papel e celulose, o BB Investimentos mostra otimismo com a indústria, principalmente devido à forte demanda na Europa e na China, especialmente para celulose de fibra curta", destacou Ezequiel Resende.

Já no grupo "Complexo Frigorífico" a receita conseguida na soma de janeiro a junho deste ano foi de US$ 421,5 milhões, uma redução em relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 33,2% do total alcançado são oriundos das carnes bovinas desossadas congeladas, que totalizaram US$ 140 milhões, tendo como principais compradores Hong Kong, com US$ 88,2 milhões, Chile, com US$ 62,8 milhões, Arábia Saudita, com US$ 31,4 milhões, China, com US$ 31,2 milhões, e Irã, com US$ 24,5 milhões.

"A baixa quantidade de carne embarcada no mês passado pode estar atrelada à greve dos caminhoneiros no fim de maio, que impediu que cargas saíssem dos frigoríficos e entrassem nos portos. Além disso, o preço da tonelada da carne brasileira em patamar recorde também pode ter limitado as compras por parte de alguns países, já que reduz a competitividade da proteína nacional", ressaltou o economista.

Outros grupos

O grupo "Extrativo Mineral" aparece em terceiro com melhor desempenho, tendo uma receita de US$ 124,6 milhões no período analisado, aumento de 33% comparado com a somatória de janeiro a junho do ano passado, sendo que 80,1% desse montante foi alcançado pelos minérios de ferro e seus concentrados, que somaram US$ 76,8 milhões, tendo como principais compradores Argentina, com US$ 66,3 milhões, e Uruguai, com US$ 53,8 milhões.

"Investimentos em minério de ferro vinham desacelerando nos últimos anos, refletindo a sobre oferta global e consequentemente, preços menos atrativos. Mesmo assim, a produção global será crescente com a entrada de projetos na Austrália e aceleração da produção no Brasil. Preços de minério de ferro neste ano devem ficar em torno de US$ 65 a tonelada. O preço, portanto, ficará abaixo da média registrada em 2017, de forma a equilibrar aceleração da demanda mundial e a expansão da produção", detalhou Ezequiel Resende.

Para o grupo "Óleos Vegetais", apresenta receita de US$ 97,3 milhões nos seis primeiros meses deste ano, um crescimento de 86% na comparação com o mesmo período do ano passado, com destaque para farinhas e pellets, que somaram US$ 66,7 milhões, tendo como principais compradores Tailândia, com US$ 42,6 milhões, Indonésia, como US$ 21,1 milhões, Vietnã, com US$ 11,2 milhões, Holanda, com US$ 7,5 milhões, e Espanha, com US$ 6,2 milhões.

"Neste ano, a demanda pela soja brasileira aumentou com a quebra na safra de soja da Argentina e a disputa comercial entre Estados Unidos e China. Contudo, após o pico de embarques em maio, o volume exportado começou a diminuir. As exportações do País também foram prejudicadas pelos atrasos causados pela greve dos caminhoneiros e pela indefinição sobre a tabela de fretes", pontuou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso