03/11/2018 15h43

Resistência - Voluntários se organizam para proteger minorias em governo Bolsonaro

Por: Folha de Dourados
 
 
Foto: Cauê Gomes - Em primeiro ato na Avenida Paulista após as eleições, manifestantes LGBTs se reencontram com o lema Foto: Cauê Gomes - Em primeiro ato na Avenida Paulista após as eleições, manifestantes LGBTs se reencontram com o lema "ninguém solta a mão de ninguém"

Carol Castro, da Carta Capital

Violência cresceu durante a campanha - e deve continuar nos próximos anos. Para evitar mortes, grupos se unem para orientar os alvos da intolerância

"Tá bravinha, sapatão?", perguntou um dos três homens brancos que cruzaram o caminho de Nicole*, no Itaim Bibi, bairro nobre de São Paulo. Com adesivos pró-Haddad colados na roupa, a moça se irritou com as frases provocativas – não apenas sobre sua possível orientação sexual, mas também com agressões sexuais verbais. E respondeu algo como "moleque só sabe falar sobre sexo e pinto mesmo".

Os três se irritaram e a empurraram. Aos risos, ainda deram uma "bica de leve" na coxa dela. E fecharam com a frase que se tornou clássico nessas eleições: "quando o mito ganhar quero ver isso [o "confronto audacioso" de uma mulher insultada no meio da rua] continuar".

Nicole se levantou, irritada com o que havia acontecido e seguiu seu caminho. Não quis fazer boletim de ocorrência presencial, mas fez pela internet. "Eu já fui até a delegacia fazer BO outra vez e foi uma experiência muito traumática. Não quis me sujeitar àquilo de novo", conta.

A história da empresária é só uma entre as tantas durante a campanha deste ano – várias denúncias surgiram sobre agressões seguidas por palavras de ordem, em referência ao presidente eleito, com o intuito de exterminar opositores de seu candidato. Os principais alvos são negros e LGBTs. No Largo do Arouche, em São Paulo, a travesti Priscila foi assassinada aos gritos de "Bolsonaro", semanas atrás.

No Instagram, o perfil "Ele não vai nos matar" surgiu só para denunciar agressões. Em um dos casos, um rapaz narra, por vídeo, a experiência que teve em um táxi. Ao escutar a propaganda de Bolsonaro, o motorista se exaltou e começou a dizer que aquele governo seria para maiorias - mulheres, negros, gays e índios não teriam vez. E que gays, como seu passageiro, deveriam morrer. Segundo o relato, ao perceber que o homem havia tirado um print da tela do celular para denunciá-lo, o motorista jogou o carro com tudo na calçada e expulsou o passageiro.

Em meio a tantas ameaças, ainda na onda da mensagem que viralizou nas redes – "ninguém solta a mão de ninguém" – grupos voluntários de advogados e terapeutas se organizam para dar apoio às vítimas de violência política.

Em São Paulo, o grupo Acode criou uma cartilha, com recomendações sobre como se prevenir de agressões e como denunciá-las. Já ajudaram mais de 20 pessoas. "O objetivo do grupo é oferecer acolhimento e orientação - tanto jurídica quanto psicológica - a pessoas que sofram agressões com motivação política, com atenção especial a minorias", explica o grupo.

Em cada canto do País, espontaneamente, grupos de voluntários se juntaram à mesma causa. Em Juiz de Fora, no interior de Minas Gerais, a advogada Áquila Neves ofereceu, por meio de suas redes sociais, ajuda a qualquer pessoa. "Se alguém sofrer perseguição, violência, assédio e/ou preconceito por gênero, origem étnica e/ou ideologia em virtude desses tempos sombrios, podem me procurar e/ou passarem meu contato. Eu e meus serviços estamos à disposição. Não cobrarei nada, apenas a luta", escreveu.

Desde então, perdeu as contas de quantas pessoas pediram orientação. E sempre reforça: façam boletim de ocorrência mesmo se não houver agressão física. A ausência de uma lei específica contra crimes por homofobia dificulta a punição de agressões como essa, mas Neves encoraja os registros. "Ainda depende do juiz a punição por não existir lei contra homofobia. Mas encorajo a correrem atrás como meio de mostrar que estamos aqui. Mostrar que há uma maior necessidade da defesa dos Direitos Humanos", explica.

No Rio de Janeiro, o Reaja surgiu como fonte de auxílio à população LGBT. E atraiu tanta gente atrás de ajuda que o grupo precisou restringir os serviços apenas aos cariocas.

Para organizar tantos voluntários, espalhados por todos os cantos do País, o advogado Marco Aurélio de Carvalho, da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, reuniu mais de 100 colegas de profissão para fundar o Observatório da Democracia. Ainda em fase de construção, a ideia é ter um tripé com voluntários de três áreas: jurídica, parlamentar e de comunicação. "Queremos receber demandas sobre intolerância, violência e retrocesso de direitos e encaminhar para as áreas jurídicas ou parlamentar. Teremos representantes de movimentos e ativistas", explica Aurélio. "Nossa ideia é organizar a resistência", conclui.

Com tantos agressores empoderados, representados por um presidente que quer acabar com ativistas e criminalizar movimentos sociais, surgiram também focos de milícia. Se de um lado, apoiadores políticos e o próprio presidente eleito pedem o monitoramento de professores, os grupos de resistência se unem para evitar abusos e frear perdas – de vidas ou de direitos.

*A entrevistada preferiu não divulgar seu nome real.

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso