11/01/2019 18h00

Preços ao consumidor dos EUA registram primeira queda em 9 meses

 

(Reuters) - Os preços ao consumidor nos Estados Unidos caíram pela primeira vez em nove meses em dezembro, em meio a uma queda nos preços da gasolina, mas as pressões inflacionárias subjacentes permaneceram firmes, enquanto os custos de moradia e saúde aumentaram de forma constante.

O Departamento de Trabalho informou nesta sexta-feira que o Índice de Preços ao Consumidor recuou 0,1 por cento no mês passado, a primeira queda e a leitura mais fraca desde março. O índice permaneceu inalterado em novembro. Nos 12 meses até dezembro, o índice subiu para 1,9 por cento, após avançar para 2,2 por cento em novembro.

Excluindo os componentes voláteis de alimentos e energia, o Índice de Preços ao Consumidor aumentou 0,2 por cento, avançando ma mesma margem pelo terceiro mês consecutivo. Nos 12 meses até dezembro, o núcleo da inflação subiu para 2,2 por cento, igualando ao aumento de novembro.

As leituras de inflação ficaram em linha com as expectativas dos economistas. O Federal Reserve, que tem uma meta de inflação de 2 por cento, acompanha uma medida diferente, o núcleo do índice PCE, para decisões de política monetária.

O núcleo do PCE aumentou para 1,9 por cento na comparação anual em novembro, após subir para 1,8 por cento em outubro. O índice atingiu 2 por cento em março pela primeira vez desde abril de 2012.

Uma queda acentuada nos preços do petróleo em meio a um excesso de oferta e a desaceleração do crescimento econômico global está mantendo a inflação global sob controle. Os preços mais baixos do petróleo também tiveram impacto no núcleo da inflação por meio de passagens aéreas mais baratas.

Embora o Fed tenha previsto mais dois aumentos de juros este ano, pressões inflacionárias moderadas devem apoiar as recentes declarações de várias autoridades, incluindo do chairman Jerome Powell, por cautela quanto à elevação dos juros neste ano.

Powell reiterou essa visão na quinta-feira, dizendo que "especialmente com a inflação baixa e sob controle, temos a capacidade de ser pacientes e observar pacientemente e com cuidado", enquanto o banco central monitora dados econômicos e mercados financeiros em busca de riscos para o crescimento.

A ata da reunião de política monetária de 18 a 19 de dezembro do banco central dos EUA, divulgada na quarta-feira, mostrou que "muitas" autoridades dividiam opinião de que o Fed "poderia se dar ao luxo de ser mais cauteloso".

(Por Lucia Mutikani)

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso