18/05/2017 07h39

O dilema da concessão da BR-163/MS

Por: Folha de Dourados
 
 
Roberto Calixto Roberto Calixto

Roberto Calixto - engenheiro civil e Diretor-Presidente da CCR MSVia

A nossa decisão de paralisar a duplicação e pedir a repactuação do contrato de concessão está fundamentada em fatos. No formato atual, a concessão da BR-163/MS não para em pé.

Os motivos são evidentes. O contexto macroeconômico mudou muito desde a época da licitação, ocorrida em 2013, em que se verificava crescimento no PIB de 2,3%, inflação oficial de 5,9%, e taxa de juros baixa, com tendência de queda.

Mudaram as condições políticas e econômicas. Veio a instabilidade institucional, com a qual não convivíamos há muitos anos. Houve queda no crescimento da Economia, aumento da inflação e redução do fluxo de veículos pelas rodovias. Isso foi um veneno para nossos planos.

Isso sem contar que o Governo Federal demorou um ano a mais do que o previsto para emitir a Licença Ambiental e transferi-la para a Concessionária. E mesmo depois de liberada, a Licença ainda apresentou condicionantes extraordinárias, o que prejudicou ainda mais os cronogramas e aumentou os custos de execução.

Houve também mudanças nas condições de financiamento pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).Na prática, foi reduzido de 70% para 40% o montante financiável do projeto e aumentandas as taxas de juros de 5,0% para 7,5%.

Dizem que recebemos empréstimo bilionário e que nunca houve dificuldade financeira da CCR MSVia. O empréstimo foi autorizado, mas o dinheiro foi parcialmente desembolsado. O desembolso está condicionado às entregas de obras, serviço e ao tráfego. Dessa forma, não se cumpriu o que foi pactuado. Assim, dos R$ 2,8 bilhões autorizados, só usamos R$ 841 milhões.

Também falaram do lucro anunciado no balanço financeiro, de R$ 57 milhões. Essa cifra refere-se ao lucro contábil. O balanço não reflete o desembolso efetivo dos investimentos. Para isso é preciso observar o fluxo de caixa, onde é possível verificar que a receita só cobre o custo operacional. Não há geração de caixa suficiente para pagar os investimentos. No balanço, o custo dos investimentos é diluído ao longo de 30 anos, ou seja, só aparece 1/30 do que foi realizado no ano.

Mesmo assim, destacamos que a CCR MSVia injetou na Concessão cerca de R$ 1,9 bilhão em obras, equipamentos, serviços e impostos. Mudamos substancialmente as condições de fluidez e segurança de tráfego. Transformamos a BR-163/MS em "Rodovia da Vida".

Duplicamos 138,5 quilômetros da rodovia. Recuperamos 333 quilômetros de pavimento. Geramos 4 mil empregos entre diretos e indiretos e implantamos um moderno sistema operacional com 17 bases operacionais, frota de mais de 80 veículos e equipe altamente qualificada, com profissionais de atendimento pré-hospitalar, entre eles 35 médicos.

O SAU da CCR MSVia já registrou milhares de atendimentos, com milhares de vidas salvas. Nossos serviços e obras permitiram reduzir em 31% o número de mortos em acidentes.

Por último, questionam a continuidade de cobrança do pedágio. É a cobrança de pedágio que permitirá o prosseguimento da prestação de serviços do SAU na rodovia, a manutenção das pistas e da sinalização, e a conserva da faixa de domínio, apesar da paralisação das obras de duplicação.

Queremos continuar, mas continuar com qualidade, gerando riqueza para o Estado, empregos para a população e salvando vidas.

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso