07/12/2017 07h20

Risco de Calote - Mato Grosso do Sul 'reprova' na capacidade de pagamento

Por: Folha de Dourados
 
 
Prédio da Agência Fazendária do Estado - Bruno Henrique/ Correio do Estado Prédio da Agência Fazendária do Estado - Bruno Henrique/ Correio do Estado

Tesouro Nacional fez avaliação e reprovou 12 estados

Mato Grosso do Sul não tem capacidade de pagamento para conseguir aval da União para realizar novos empréstimos, divulgou o Tesouro Nacional hoje. Uma nova metodologia aplicada pelo órgão classificou o Estado na nota C. A mesma avaliação classificou outras 11 unidades federativas com critério baixo para pagamentos, representando pelas notas C e D.

Nessa relação com nota C estão: Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Piauí, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

Até essa remodelação aplicada pelo Tesouro, seguindo agora um modelo de austeridade maior, quem estava com notas C ou D conseguia obter garantias da União para contratar novos financiamentos. O ministro da Fazenda precisava lançar mão de um ato de "excepcionalização" para essa aprovação. Esse recurso foi extinto no mês passado e uma nova portaria foi editada para proibir a concessão de crédito a Estados com situação financeira delicada.

Conforme divulgado pela Istoé, a decisão do Ministério da Fazenda refletiu repercussão de investigação do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre os calotes dos estados. O caso do Rio de Janeiro foi o mais emblemático. O TCU verificou que os casos de excepcionalização foram responsáveis por aumentar demasiadamente a dívida das federações.

O boletim do Tesouro informou que os estados com pior situação, a nota D, são Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. Com isso, a única forma de contratação de novos empréstimos para eles é por meio do Regime de Recuperação Fiscal (RRF). Por enquanto, só o governo fluminense aderiu à proposta.

Nesse relatório, o órgão ainda salientou as reformas e pacotes de austeridade implementados. Em Mato Grosso do Sul, o projeto de austeridade foi aprovado ano passado e a reforma da previdência estadual passou pela Assembleia e passa a valer a partir de 1º de maio de 2018.

"Apesar dos avanços observados, um importante conjunto de reformas ainda precisa ser discutido. Além da Reforma Previdenciária, da nova Lei de Finanças Públicas e da regulamentação do teto constitucional de salários – já em tramitação no Congresso Nacional – convém mencionar outras medidas inseridas no debate público: a revisão das vinculações de receitas e das indexações automáticas sobre gastos que retiram eficiência na aplicação de recursos; a revisão de critérios para a estabilidade no serviço público; a aprovação de uma Lei de Greve para os servidores e a modernização de critérios de compras e contratações de serviços com terceiros", divulgou o Tesouro, em nota.

ANÁLISE

A metodologia aplicada para nivelar os estados envolve avaliação do nível de endividamento, poupança corrente e o índice de liquidez. Quem obteve nota C foi principalmente por faco desempenho no indicador poupança.

As federações melhores posicionadas na avaliação, com nota A, foram Espírito Santo e Pará. São Paulo foi classificado com B. A Istoé divulgou que o governo paulista foi beneficiado com a nova metodologia do Tesouro Nacional, que saiu da nota C para entrar uma categoria acima.

As notas ainda podem ser revisadas, tanto para baixo como para cima, informou o órgão. Enquanto ocorre essa nova análise, o crédito para Estados permanece suspenso. (Correio do Estado)

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso