07/07/2018 08h26

Inspirados por Meirinha, portadores de nanismo querem se eleger

Por: Folha de Dourados
 
 
“O olhar preconceituoso elimina as minorias. Sou mulher, nordestina e filha de mãe pobre” - Foto: Reprodução “O olhar preconceituoso elimina as minorias. Sou mulher, nordestina e filha de mãe pobre” - Foto: Reprodução

Marivaldo Carvalho

Vereadora na Bahia é a única com a deficiência física eleita no Brasil. Outros buscam um lugar ao sol

Ela tem 87 centímetros. A mãe, Altamira, lavadeira, pobre e analfabeta, foi quem a criou. A injustiça e o preconceito do cotidiano a obrigaram a uma permanente luta pela igualdade. Descobriu o movimento estudantil aos 17 anos, aluna de escola pública, disposta a reivindicar e a enfrentar.

Percorreu o caminho natural até a política, até para superar as limitações impostas pela vida. O nanismo só foi reconhecido no Brasil como deficiência física em 2004.

Aos 35 anos, a baiana Meire Joyce Souza Figueiredo, popularmente chamada de Meirinha, é a única candidata eleita com a deficiência no País. Filiada à Rede, exerce o cargo de vereadora em Irecê, cidade no Sertão baiano a 482 quilômetros de Salvador.

Deixará de ser uma solitária no mundo político? Assim espera o tucano Valcir Justino, o Jurubeba, 1 metro e 5 centímetros. Servidor da Assembleia de Mato Grosso, Jurubeba vai tentar novamente mudar de status na casa legislativa. Em 2014, obteve 437 votos, insuficientes para conquistar uma vaga de deputado estadual.

Jurubeba, ex-palhaço de rodeio, é figura conhecida na Assembleia mato-grossense. Como bom tucano, foge da pergunta sobre preconceito: "Não ligo para isso, não. Isso nunca foi problema para mim".

Em busca de notoriedade – e de votos – promete regularizar o jogo do bicho no estado e gravou um vídeo endereçado à atriz anã Juliana Caldas, maltratada pela mãe vilã Sophia, personagem de Marieta Severo na novela das 9. Sophia não se cansa de repetir que odeia a filha afetada pelo nanismo.

O sofrimento da personagem da novela global terá o condão de impulsionar outras candidaturas? Quatro anos atrás, o "Anão Haroldo" tentou em Brasília o cargo de deputado distrital pelo PEN, mas não levou.

Em 2012, o candidato "Ahnão", com o sugestivo slogan "Dos males, o menor", igualmente não conseguiu se eleger vereador em Martinho, no Paraná.

Claudinho "Ahnão", e sua promessa de que "A mudança vem de baixo", também não obteve êxito. Em 2010, Cicinho disputou uma vaga na Assembleia Estadual de Alagoas pelo PMDB. O mesmo fracasso.

Meirinha declara-se desprovida de vaidade, cheia de entusiasmo e positividade com a ideia para compartilhar e agregar valores. "Menina, mulher-guerreira, destemida e operacional." Ela imagina um país forte, no qual prevaleçam a inclusão, a equidade e a igualdade.

Um de seus projetos na Câmara de Irecê prevê a instalação obrigatória de escadas móveis em caixas eletrônicos para o uso de portadores de nanismo. Caso o banco não se adapte, receberá uma multa. Se ainda assim não obedecer à lei, corre o risco de ser interditado. "O olhar preconceituoso elimina as minorias. Sou mulher, nordestina e filha de mãe pobre."

Segundo a vereadora, a proposta, se aprovada, vai contribuir para a independência dos anões, além de diminuir o preconceito na sociedade. "Sofremos para realizar tarefas simples, como apertar botões nos elevadores. Essa lei daria mais autonomia nos afazeres diários."

Meirinha é diretora da Associação de Pais e Amigos de Deficientes e diretora-voluntária da Associação Beneficente de Anciões de Irecê. Formada em Administração pela Faculdade do Sertão e pós-graduada em Gestão de Negócios, leciona em uma faculdade local. Quais lições aprendeu ao longo da vida?

Buscar o melhor a cada dia, não desanimar diante dos obstáculos, ser destemida e entusiasmada a vencer e viver para promover o melhor e deixar marcas positivas. "Quero contribuir para a sociedade, alcançar mais pessoas para compartilhar um pouco do que sou e do muito que busquei, agregar para minha cidade e meu povo o máximo de benefícios."

E não perde a chance de fazer campanha: "Confiar em mim, apesar do meu tamanho, me torna forte o suficiente para superar todos os desafios que a vida me deu, e obtive resultados positivos tanto no crescimento pessoal quanto no profissional".

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso