14/01/2018 09h26

Governo cumpre só 13,5% da meta do Minha Casa para os mais pobres

Por: Veja
 
 
Unidades habitacionais do Parque Jardim São Paulo, entregues pelo programa Minha Casa Minha Vida, em Luziânia, Goiás (Bruno Peres/Min. Cidades/Fotos Públicas) Unidades habitacionais do Parque Jardim São Paulo, entregues pelo programa Minha Casa Minha Vida, em Luziânia, Goiás (Bruno Peres/Min. Cidades/Fotos Públicas)

Somando as quatro faixas do programa, a gestão Temer firmou contratos para financiar 442.200 unidades habitacionais, o que representa 72,5% da meta total

O presidente Michel Temer descumpriu em 2017 a primeira meta do seu governo para o Minha Casa Minha Vida, programa de habitação popular que foi usado como uma das principais vitrines das gestões petistas. No ano passado, o governo se comprometeu a bancar a construção de apenas 23.000 moradias destinadas a famílias que ganham até 1.800 reais. Isso representa apenas 13,5% da meta de 170.000.

O governo também descumpriu a meta geral do Minha Casa para todas as faixas de renda. Somando as quatro faixas do programa, a gestão Temer firmou contratos para financiar com juros mais baixos – e subsidiar, no caso, dos mais pobres – 442.200 unidades habitacionais no ano passado: 72,5% da meta de 610.000.

Em 2013, auge do programa, criado em 2009 pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o governo se comprometeu em financiar 913.000 unidades. Nessa primeira fase, a União assina o contrato com a construtora responsável pela obra. Mas até as casas ficarem prontas e serem entregues aos beneficiados leva em torno de um ano e meio.

O Ministério das Cidades, responsável por gerir o programa, admite que não cumpriu a meta. No caso da faixa 1, voltada para os mais pobres, a pasta afirmou que "o baixo atendimento da meta" foi provocado por mudanças na forma como são selecionados os empreendimentos e pelos sucessivos contingenciamentos no Orçamento da União anunciados pelo governo no ano passado. Nessa faixa, é o Tesouro que banca os custos da construção e assume o risco de calote.

"O não cumprimento da meta é um fato. Mas pretendemos criar um modelo de seleção de projetos que vise deixar dinâmico e célere o processo de contratação do faixa 1", diz o ministro das Cidades, o deputado licenciado Alexandre Baldy (GO), que está no cargo desde novembro do ano passado.

Portaria – No início do ano, o ministro revogou portaria de seu antecessor, Bruno Araújo (PSDB-PE), que autorizava o subsídio para mais 54.000 unidades da faixa 1 no ano passado. Com isso, ficaram apenas as 23.000 casas.

Guilherme Boulos, membro da coordenação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), classifica como um "descalabro" o desempenho do governo Temer no programa e prometeu "inúmeras mobilizações" neste ano para reverter a paralisia do programa. "Visivelmente houve uma decisão do governo de desvalorizar a faixa 1, o que significa liquidar o Minha Casa como programa social."

Segundo ele, as moradias destinadas às famílias das chamadas faixas 2 e 3 (que ganham até 9.000 reais) não podem ser classificadas como programa social, mas como financiamento imobiliário. "A faixa 1 – liquidada pelo presidente Temer – atende a famílias que ganham menos que três salários mínimos, correspondente a quase 80% do déficit habitacional brasileiro."

Para o vice-presidente de Habitação do Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (Sinduscon-SP), Ronaldo Cury, a saída para o programa é investir mais na faixa batizada de 1,5 (destinada a famílias que ganham até 2.600 reais). Nessa modalidade, as famílias têm um desconto de até 45.000 reais na aquisição de um imóvel, de acordo com a localidade e a renda. Os juros do financiamento também são subsidiados, mas 90% do subsídio é dado pelo FGTS; só 10% são da União.

"O dinheiro público para a construção de uma casa da faixa 1 constrói até quatro casas na faixa 1,5", diz. No ano passado, o governo contratou 33.888 moradias da faixa 1,5, menos do que as 40.000 prometidas. Na faixa 1, o governo arca com 90% do valor da casa em subsídios.

"Se o Minha Casa dependesse só de dinheiro do Orçamento, o programa estava morto", sentencia José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Construção (Cbic). Ele afirma que as despesas de custeio, como o pagamento de salários e da aposentadoria, consomem cada vez mais o Orçamento, o que prejudica a destinação de recursos para investimentos, rubrica onde está o Minha Casa Minha Vida.

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso