27/08/2017 06h37

Finalmente, o STF bane o amianto no Brasil

Por: Folha de Dourados
 
 
Valdenir Machado Valdenir Machado

(*) Valdenir Machado

Na quinta-feira (24) o Supremo Tribunal Federal (STF) fez história ao banir do Brasil o amianto, uma substância comprovadamente cancerígena, mas ainda defendida por setores que visam apenas o lucro em detrimento da saúde da população e ao meio ambiente.

A decisão do STF me deixa muito aliviado e ao mesmo tempo representado pelos ministros. Há pelo menos de 5 anos venho me posicionando sobre o assunto, escrevendo vários artigos alertando para o perigo do material à saúde humana e, em particular, a existência de tubulação de amianto nas redes de distribuição de água em Dourados e de outros municípios de Mato Grosso do Sul.

Em seu voto, o ministro Celso de Mello ressaltou que, "nesse permanente estado de tensão entre as práticas empresariais e a preservação do meio ambiente, não se pode comprometer ou esvaziar o direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, e não podem ser aniquilados, também, o direito à saúde e o direito à vida".

Já o coordenador nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho, do MPT, o procurador do Trabalho Leonardo Osório Mendonça garantiu ao final do julgamento que "vamos fazer valer essa vontade majoritária do Supremo: o amianto tem que ser extirpado do país e nenhuma empresa pode colocar os seus interesses econômicos à frente do interesse da vida e da saúde do trabalhador". Desde de 2012, existe o programa nacional de banimento do amianto do MPT.

O amianto tornou-se largamente utilizado em virtude de suas vantagens econômicas (preço acessível e abundância na natureza), e propriedades: é resistente ao calor; não se deteriora; é um bom isolante térmico, acústico e elétrico.

Mas, por outro lado, provoca uma doença pulmonar causada pela aspiração de fibras que pode levar à falência respiratória, além de câncer de pulmão, laringe, do trato digestivo, pleura e de ovário.

A grande expectativa agora, é que o MP e os juízes agilizem o cumprimento da decisão histórica do Supremo e, o quanto antes, o Brasil se veja livre dessa substância que com certeza já prejudicou a saúde de milhões de brasileiros.

(*) É cartório, professor e advogado

 


Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso