25/09/2018 17h46

Exportação de bens de capital ajuda setor a sair do vermelho

 

Após cinco anos em queda, a indústria de máquinas e equipamentos deve fechar o ano com crescimento de 7% com a produção estimulada pela demanda no mercado externo. De janeiro a agosto, as vendas de bens de capital aumentaram 5,9%, com um total de R$ 49,7 bilhões, e só em agosto o volume atingiu R$ 7,3 bilhões, 12% mais do que no mesmo mês do ano passado.

A retomada ocorre, no entanto, em ritmo bem inferior ao do período anterior à crise, quando a taxa de crescimento chegou a 36%, segundo dados divulgados hoje (25) pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). No acumulado dos últimos cinco anos, o setor apresentou recuo de 47%. O pior desempenho foi registrado em 2016, com queda de 24,2%.

A virada na evolução do setor está se consolidando com as exportações, que tiveram expressivo crescimento em agosto (68,5%), como resultado de encomendas embarcadas para países da América Latina, em especial para a Argentina. Apesar de estar mergulhado em crise, o país vizinho fez diferença na movimentação de vendas externas brasileiras do setor, com um total de US$ 167 milhões relativos à aquisição de equipamento parfa tratamento térmico de matérias.

Com essa cifra, a Argentina voltou a ter uma participação de 22% nas vendas externas brasileiras, depois de um declínio de 11% em julho. De janeiro a agosto, as exportações totais, incluindo América Latina e Mercosul, Estados Unidos e Europa, somaram US$ 6,6 bilhões.

Segundo o presidente do Conselho de Administração da Abimaq, João Carlos Marchesan, as exportações hoje representam quase a metade das vendas do setor. Para escapar da crise argentina, as empresas têm procurado explorar outros mercados, principalmente Europa e Estados Unidos.

"A Argentina está criando diversos impactos sobre a indústria nacional, mas independentemente disso, mesmo sendo um mercado importante, estamos conseguindo superar essa diferença com um câmbio favorecido e redistribuindo para outros países", disse Marchesan.

Para os Estados Unidos os embarques atingiram mais de US$ 1,5 bilhão de janeiro a agosto, com alta de 62,8%, seguido da Europa, com valor US$ 1,49 bilhão, 39,8% acima de igual período do ano passado.

Segundo o presidente executivo da Abimaq, José Velloso, o câmbio deve continuar favorecendo as exportações, seja qual for o candidato eleito presidente em outubro."Hoje vivemos um câmbio industrializante", observou Velloso, referindo-se às oscilações do dólar, cuja cotação tem ultrapassado os R$ 4. Ele informou que mais da metade das 1,5 mil indústrias associadas da Abimaq (850) exporta seus produtos – entre os mais consumidos, estão máquinas para petróleo e energia renovável, seguidos por máquinas para bens de consumo e componentes para a indústria de bens de capital.

Com a melhoria dos negócios, em agosto, as empresas do setor ampliaram em 3,7% a contratação de empregados em relação ao mesmo mês do ano passado. Desde janeiro, foram criadas 10 mil vagas, mas apenas em agosto, sobre o mês anterior, o índice quase não variou, ficando em 0,6%, um pouco abaixo do crescimento de julho (0,8%).

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso