14/01/2018 09h54

Cultura e eventos: mais que faturamento, uma necessidade pública

Por: Folha de Dourados
 

Hugo Bernardo - Country Manager da Eventbrite Brasil, plataforma líder global em tecnologia para eventos

Mesmo com um cenário político turbulento e lentidão no crescimento financeiro, um ponto deve ser levado em consideração - toda população no mundo precisa de lazer, cultura e entretenimento. Esses aspectos são essenciais para uma sociedade mais feliz, mesmo diante das pressões do dia a dia. A contribuição cultural deve eclodir de todos os lados, seja da área pública ou privada.

Segundo a UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, à Ciência e à Cultura, o complexo integral de distintos traços espirituais, materiais, intelectuais e emocionais que caracterizam uma sociedade ou grupo social, inclui não apenas as artes e as letras, mas também os modos de vida, os direitos fundamentais do ser humano, sistemas de valores, tradições e crenças.

E o que isso quer dizer? A cultura pode ser interpretada por diversos ângulos, ainda mais em um país que possui tantos públicos culturais diferentes. Oferecer e produzir eventos de forma democrática é a grande questão e o fato é que toda forma de acesso à cultura é bem-vinda.

Grande parte do volume de eventos no Brasil está alocado no setor privado, o que acaba contribuindo para o PIB nacional. Segundo a Associação Brasileira de Empresas e Eventos (Abeoc), o setor privado teve crescimento médio de 14%, o que representa mais de R$ 200 bilhões. Dinheiro esse arrecadado de palestras motivacionais, encontros, shows, festivais, cinema, games entre outros.

Nossa plataforma, por exemplo, foi responsável pelo processamento de mais de 2 milhões de ingressos em 2017, o que equivale a mais de 50 mil eventos privados. Tenho certeza de que isso não representa somente lucro, pois trabalhar com eventos culturais é apostar na felicidade, no acesso ao lazer, é uma forma de contribuir com a população mesmo com captação.

Uma curiosidade que já não é novidade são os eventos direcionados para games. Você já parou para pensar o quanto o mercado de jogos representa? O setor registrou movimentação de mais de R$ 670 milhões, segundo pesquisa Global de Entretenimento e Mídia 2017-2021, realizada pela PwC. Além de ser uma das áreas que mais cresce em faturamento, diversos organizadores apostam no segmento por enxergar que existe uma variedade de possibilidades a serem exploradas, como jogos on-line, aplicativos, criação de comunidade etc.

E para finalizar, o título já remete a uma clara posição: os eventos, de todos os modelos, são muito importantes para o andamento e funcionamento de uma sociedade. Por isso, encerro afirmando – entretenimento é mais que faturamento, é uma necessidade pública!

 

Envie seu Comentário

 

Notícias

Política
Esporte
Educação
Dourados
Estado&Região
Economia
Polícia
Geral
Meio Ambiente
Rural
Tecnologia
Brasil&Mundo
Cultura
Curiosidade
Entretenimento
Saúde
Turismo
Religião
Mídia
Ciências

Colunistas

Culturalmente Falando
Cleiton Zóia Münchow
Rebecca Loise
Antenado
Enfoque
Consciência Cósmica
Gastronomia
Informe Vet
Falando de Cinema
Aniversariantes
Salada Mista
Victor Teixeira
Waldir Guerra

+ Canais

Entrevistas
Charges
Vídeos
Eventos

Expediente

Sobre Nós
Anuncie
Trabalhe Conosco
Termos de Uso